Standort in Deutschland, wo man günstige und qualitativ hochwertige Kamagra Ohne Rezept Lieferung in jedem Teil der Welt zu kaufen.

Wenn das Problem der Verringerung der Potenz berührt mich persönlich war ich schockiert, dass das passiert gerade mit mir kamagra Übrigens jeder leisten und gibt eine sofortige Wirkung ohne Hausarbeiten Anwendungen.

Microsoft word - documento

ESTERÓIDES ANABÓLICOS E OUTROS
ERGOGÊNICOS
Não tenho dúvida de que muitos adquiriram este guia com o objetivo principal de aprender um pouco mais a respeito do uso de esteróides anabólicos. Se este for o seu caso, não se esqueça de que o culturismo é uma atividade muito interativa, de forma que de quase nada adianta ter um bom conhecimento sobre esteróides anabólicos, mas treinar e/ou se alimentar inadequadamente; portanto, sempre pesquise e aprenda sobre todos os aspectos do esporte. Apesar de que atletas de várias modalidades, tais como corredores, nadadores, jogadores de futebol e atletas de outros esportes fizeram ou ainda fazem uso destas substâncias com o objetivo de melhorar a performance, é entre levantadores olímpicos, basistas e culturistas que se observa o maior uso de drogas pelo seu drástico resultado, quanto ao aumento do volume muscular e da força. Os esteróides anabólicos foram e são extremamente estigmatizados pelos meios de comunicação, pelos órgãos de regulamentação esportiva e por alguns integrantes da comunidade científica. Principalmente no meado da década de 80, a mídia ressaltou os efeitos malévolos do uso de esteróides correlacionando-os com temperamento violento e com o desenvolvimento de doenças como o câncer do fígado e da próstata. Foram tantas histórias sensasionalistas que as emoções ficaram acima da lógica. Esta tendência ainda prevalece para a maioria. Não quero dizer que esteróides sejam drogas seguras. Esteróides
anabólicos são, sim, drogas poderosas que podem causar sérias
conseqüências se usadas em excesso, se misturadas ou se automedicadas.
De fato, milhares de drogas que as pessoas tomam todos os dias também podem causar conseqüências sérias e muitas são várias vezes mais tóxicas do que os esteróides anabólicos. Por exemplo, milhares de pessoas que tomam o diurético Lasix (mencionado no guia sobre Nutrição) para combater simples retenção hídrica, podem morrer por dosagem um pouco superior à prescrita pelo médico. A “inocente” aspirina mata mais do que 400 crianças por ano. E os esteróides? Evidências clínicas observam que os efeitos colaterais provocados por essas drogas são, na maioria das vezes, reversíveis. Entre os mais sérios efeitos encontram-se a toxidade hepática e o aumento do colesterol sérico, os quais podem ser monitorados através de medidas específicas. Como a AIDS, o aborto e a pena de morte o uso de esteróides anabólicos se tornou um assunto emocional. Um assunto se torna emocional quando a emoção ultrapassa a razão, quando a especulação científica prevalece sobre fatos científicos. É pena que o assunto “esteróides anabólicos” tenha despertado tanta emoção, pois assim se tornou muito difícil encontrar pesquisas e estudos científicos relevantes sobre o assunto, porque os pesquisadores no mundo inteiro ficaram com receio de conduzir estudos nessa área por medo de represália pública. Assim deixamos, por enquanto, de ter um esteróide perfeito com o mínimo ou nenhum efeito colateral. Apesar disso mais recentemente, relaciona-se o uso de esteróides como medicação terapêutica para a AIDS e como método contraceptivo masculino. Repetimos, como qualquer outra droga, os esteróides devem ser prescritos por um médico especialista que também deve encarregar-se de monitorar os efeitos colaterais, reajustar a dose, trocar o esteróide ou finalizar um ciclo. Porém, sem hipocrisia, sabemos que é possível comprar essas drogas sem prescrição médica. Apesar de ser isso proibido por lei recentemente estabelecida em nosso país, existem alguns donos de farmácia por aí que estão mais interessados com o lucro da venda do que com a sua saúde. A escolha é sua, afinal a vida é uma eterna escolha entre o sim e o não. Não é isso que significa livre arbítrio? Como consideramos que a droga mais perigosa é a ignorância, neste guia, para esclarecimento, iremos estudar como os esteróides funcionam, relacionando os principais existentes no mercado, e como vêm sendo utilizados no mundo do culturismo. Só assim, através do conhecimento, é que podemos fazer uma análise séria e decidir entre utilizar esteróides anabólicos ou não, se vale a pena se automedicar e correr riscos ou ir ao médico. Escolha, mas conheça primeiro o candidato. Cremos que, em nosso país, já atravessamos a adolescência da democracia, a muitas custas, mas ainda estamos aprendendo. Tal como o político mentiroso temos certeza de que você não engolirá mais aquela do culturista de 130 Kg que proclama ter construído toda a sua massa muscular às custas de “Massa 5.000” ou aquela da vizinha que disse para a sua mãe que o filho da cunhada de uma conhecida morreu por uso de esteróides anabólicos, sem mencionar que estava viciado em cocaína e era portador do vírus da AIDS. O aspecto moral também deve ser mencionado quando relacionamos o uso de drogas com o objetivo de melhorar a performance no esporte. É justo competir sob o efeito de drogas com outros atletas que competem naturalmente? É óbvio que não. É por isso que as diversas federações esportivas colocam os esteróides na lista de medicamentos proibidos, num esforço de colocar em nível de igualdade os competidores e salvaguardar a sua saúde. De forma que, antes de se envolver com o uso de esteróides, verifique se, na sua competição, existem testes para detectar a presença de drogas nos atletas. Caso positivo, você correrá o risco de ser apanhado se estiver utilizando qualquer droga proibida e de ser desqualificado da competição, quando não banido para sempre do esporte. Existem formas de camuflar a presença de esteróides na corrente sangüínea, através da redução progressiva da administração de esteróides antes da competição, através do uso de esteróides de eliminação rápida (como é o caso da maioria dos orais), através do uso de diuréticos etc., mas ainda assim o atleta correrá o risco de ser apanhado. Novamente, a decisão é sua. Esteróides são hormônios, responsáveis pela harmonia das funções primordiais no organismo. Além dos esteróides temos a insulina, o glucagon (estudados no guia sobre Nutrição), os hormônios da tiróide e outros. Existem três categorias básicas de esteróides. Estrógenos (hormônio feminino)
– produzidos no ovário e encarregados de produzir os caracteres sexuais femininos.
Andróginos (hormônio masculino) – produzidos principalmente nos testículos e
responsáveis pela produção das características sexuais masculinas, tais como a massa
muscular, a força, a barba, o engrossamento da voz, a velocidade de recuperação da
musculatura, o nível de gordura corporal e outros. Ambos os sexos produzem os dois
hormônios. Os estrógenos são predominantes na mulher, muito embora o ovário e a
glândula adrenal produzam pequenas quantias de andróginos. O mesmo ocorre no
organismo masculino, onde estrógenos são produzidos em pequenas quantidades nos
testículos. O último tipo de esteróide é a cortizona, que é produzida por ambos os
sexos e tem efeito analgésico e anti-inflamatório. Os esteróides anabólicos são
um subgrupo de andróginos.

O que os atletas desejam são os efeitos anabólicos dos andróginos. Mesmo sendo do sexo masculino a intenção é administrar quantias extras de esteróides anabólicos e beneficiar-se dos seus efeitos positivos. Mas não é assim tão simples. Devemos entender que existem nessas substâncias propriedades androgênicas e anabólicas em diferentes níveis, dependendo do esteróide, já que existem diferentes tipos de esteróides. O que se deseja, com a administração de esteróides anabólicos, são as propriedades anabólicas como o aumento da massa muscular, a velocidade de recuperação da musculatura e o controle dos níveis de gordura corporal, ao passo que os efeitos androgênicos, tais como a ginecomastia e o acúmulo de gordura pretende-se evitar. A indústria química produz tipos de esteróides com diferentes níveis de poder anabólico e androgênico, mas, infelizmente, os mais poderosos anabolicamente também são fortemente androgênicos. Um esteróide perfeito, 100 % anabólico e 0 % androgênico, ainda não existe. 2. MECANISMO DE FUNCIONAMENTO DOS ESTERÓIDES Devemos esclarecer, primeiro, que ninguém sabe exatamente como os esteróides anabólicos funcionam e, segundo, que não iremos muito a fundo neste assunto, mas salientaremos aquilo que for mais relevante e útil. Caso contrário, teríamos que escrever outro guia só para isso e creio que poucos de vocês estão interessados em altas elucubrações científicas. Basicamente, os esteróides são moléculas que podem se incorporar à corrente sangüínea através de administração oral via estômago e intestino ou injetada. A partir
daí estas moléculas viajam pela corrente sangüínea como mensageiros, procurando um
local específico para entregar a sua mensagem. Este modelo teórico de receptor de
mensagem é denominado cito receptor.
Estes
citos receptores estão presentes na molécula muscular, nas glândulas
sebáceas, nos folículos capilares, em várias outras glândulas e em certas regiões do
cérebro. A capacidade destas células de receber os diversos tipos de esteróides é
denominado de afinidade. Em palavras simples, a célula e o esteróide devem se
gostar.
Os mensageiros devem existir em forma livre na corrente sangüínea e não ligados a outra molécula para que sejam efetivos. Ocorre que uma porcentagem muito grande de esteróides está ligada a outra molécula, sendo assim incapaz de entregar a sua mensagem. Quanto mais esteróides livres existirem na corrente sangüínea, mais esteróides estarão disponíveis para os citos receptores. Outra consideração importante a se fazer: - Algumas pessoas são premiadas com mais citos receptores do que outras, mas isso é uma questão genética que ninguém pode mudar. - Parece haver um fechamento dos citos receptores, quando um determinado - Existem pessoas que têm mais afinidade a certos tipos de esteróide do que outras. Retomando, ainda não existe um esteróide perfeito, totalmente livre, altamente anabólico, não androgênico e com alta afinidade aos citos receptores. A molécula de esteróide viaja pela corrente sangüínea, entregando a sua mensagem a diversas células receptoras ou se modifica em outro tipo de componente e eventualmente é excretada pela urina, fezes e/ou pelo suor. A estrutura modificada da molécula de esteróide que permanece flutuando na corrente sangüínea, eventualmente, é recebida por outro tipo de receptor e pode influenciar diferentes mecanismos no corpo. Esta é uma das razões de alguns efeitos colaterais causados
por esteróides. Alguns esteróides como a testosterona, variam na sua habilidade em
se converter em um componente denominado Dihidrotestosterona (DHT),
indesejável para pessoas sexualmente maduras. Essa conversão é provocada por uma
enzima denominada 5-alpha-redutase. Dentre os efeitos indesejáveis estão: perda de
cabelo (calvície), crescimento de pêlos no corpo e barba, acne e aumento da próstata.
Os esteróides também podem se converter em estrógenos por um processo denominado de aromatização.
Os efeitos desejáveis (anabólicos) promovidos pelos esteróides são os seguintes: A. Os esteróides podem aumentar a força de contratibilidade da célula muscular, através do aumento do armazenamento de fósforo creatina (CP). Essa substância ajuda a repor o trifosfato adenosina (ATP) que é a principal fonte de energia do músculo. Isso ocorre em uma complexa seqüência de eventos denominados ciclo de Crebs, seqüência essa que depende de várias enzimas. Em outras palavras, quanto mais fósforo creatina armazenado no músculo houver, mais forte e denso este será. Os esteróides promovem balanço nitrogenado positivo (mencionado no guia sobre nutrição). Essa é mais uma forma de aumentar a força muscular e também o volume. O nitrogênio é conhecido como o componente de crescimento na proteína. Manter equilíbrio nitrogenado positivo é fator fundamental para o crescimento e força muscular. Isso é obtido pelo consumo freqüente e em quantidade suficiente de proteínas e pode ter o seu grau de retenção significativamente aumentado por uso de esteróides anabólicos. Os esteróides aumentam a retenção de glicogênio. Essa substância derivada da quebra de carboidratos é a fonte secundária de energia para o músculo. Tão logo tenham se esgotado as reservas de ATP, que fornecem energia para esforços de respostas rápidas com duração de apenas alguns segundos, o glicogênio passa a entrar em cena para manter o suprimento de energia, caso o esforço se prolongue. Qualquer aumento na retenção dessa substância resulta no aumento do volume muscular. Portanto, é conveniente encher a célula de glicogênio. É a isso que se refere a dieta de supercompensação estudada no guia sobre nutrição. Ou seja, podemos atingir otimização da retenção de glicogênio intracelular manipulando a dieta, sendo que o uso de esteróides irá favorecer essa retenção, esteja a pessoa nesta dieta ou não. Os esteróides favorecem a captação de aminoácidos. Os aminoácidos (proteínas) são os “tijolos” de construção da massa muscular. Hormônios como a insulina, GH e a testosterona favorecem a síntese de aminoácidos. Ocorre que com o uso de esteróides anabólicos esta síntese de aminoácidos não depende tanto da insulina. Quando o corpo secreta muita insulina, pode aumentar o acúmulo de gordura corporal. Os esteróides anabólicos bloqueiam o cortisol. Como foi visto no guia sobre nutrição, o cortisol é um hormônio catabólico liberado por estresse emocional e também após treinamento árduo. Este hormônio pode suprimir a produção natural de testosterona do organismo já que estes são antagonistas e travam uma batalha para decidir se o músculo irá crescer ou definhar-se. O cortisol também torna o organismo mais susceptível a gripes e resfriados por suprimir mecanismos imunitórios. Sugere-se que os esteróides anabólicos em grande parte favorecem o crescimento muscular devido a seu efeito na atividade do cortisol no corpo humano. Existem ou existiram diversas formas de esteróides anabólicos sintéticos produzidos pela indústria farmacêutica: creme, supositório, selo de fixação na pele e sublingüal, porém os mais conhecidos e utilizados são os que seguem: A. Orais. Estes vêm em forma de comprimidos. Dependendo da dosagem, a
droga é usualmente parcelada durante o dia. Uma vez ingerida, a droga passa pelo estômago, é absorvida pelo pequeno intestino, processada no fígado e então passa a ser disponível na corrente sangüínea. A tendência do fígado é destruir qualquer substância estranha ao corpo humano, de forma que cientistas tiveram que modificar a estrutura química da maior parte dos esteróides orais para evitar que estes fossem destruídos pelo fígado. Para isso, a estrutura química dos esteróides foi alterada por um processo denominado de 17 alpha alcalinização. Esse processo preserva as propriedades ativas dos esteróides, mas como desvantagem, a alcalinização provoca uma grande sobrecarga no fígado. Ocorre que o fígado é forçado a lutar contra algo que não pode processar e assim é danificado. Os esteróides anabólicos orais de alta toxidade, como Hemogenim (oximetolona) e Halotestin (fluoximesterone), são evitados, só sendo utilizados com grandes intervalos e moderação para evitar os efeitos colaterais. Mas nem todos os orais são tóxicos. O Androxon (undecanoato de testosterona) parece ter efeito tóxico mínimo para o fígado, porém não é muito bem aceito pela comunidade de culturistas e o Anabol (metandrostenolona), se utilizado sensatamente, parece ser muito pouco nocivo para o fígado. De qualquer forma, seja qual for o esteróide utilizado, o acompanhamento médico é essencial. Só assim podem ser solicitados exames de sangue apropriados para detectar irregularidades no fígado, indicando-se assim a necessidade de parar com o esteróide causador do dano ou ajustar com outro menos tóxico.
B. Injetáveis. Todos os esteróides injetáveis devem ser administrados via
intramuscular e não intravenosa ou subcutânea. A maior parte são dissolvidos em base oleosa, mas alguns são dissolvidos em água. Os dissolvidos em água, também conhecidos como suspensão aquosa, tais como Winstrol V e propionato de testosterona, são assim denominados por necessitarem ser agitados para tornar a mistura água/esteróide homogênea. Estes não possuem boa reputação entre culturistas por serem mais suscetíveis a bactérias, ao passo que os de base oleosa possuem agentes anti-bacterianos mais eficientes. Os esteróides injetáveis são considerados menos nocivos do que os orais, porque não passam por processo de alcalinização. Estes esteróides passam para a corrente sangüínea via muscular. Outra vantagem é que os esteróides injetáveis de base oleosa permanecem na corrente sangüínea por mais tempo, visto que o óleo se dissipa lentamente do local da aplicação devido a sua viscosidade. Desta forma, enquanto os orais devem ser administrados diariamente, os injetáveis podem ser administrados a cada semana ou de duas em duas semanas. A desvantagem dos injetáveis é que eles são mais tóxicos para os rins, além do desconforto que é a injeção. (Muitas pessoas correm mais rápido que o Bem Jonhson ao verem uma seringa). Muitos efeitos colaterais de longo e curto prazo são relacionados com o uso de esteróides anabólicos. Efeitos colaterais, como calvície e acne, não são ameaças à vida, mas podem ser psicologicamente preocupantes, ao passo que a hipertrofia da próstata é uma conseqüência que não pode ser ignorada. O fato é que os efeitos colaterais são relacionados, mas daí a admitir que, usando esteróides anabólicos você terá estes efeitos colaterais é o mesmo que assumir que não os utilizando você jamais terá estes problemas. Aposto que você tem um tio careca que jamais utilizou esteróides. Alguns usuários de esteróides anabólicos parecem escapar dos efeitos colaterais, enquanto outros sofrem um ou mais desses efeitos. Tudo depende da predisposição genética, fato que a mídia normalmente não menciona. O principal culpado pelos efeitos colaterais provocados pelo uso de esteróides anabólicos é um hormônio denominado Dihidrotestosterona (DHL). Este hormônio é convertido no corpo a partir da testosterona por uma enzima denominada de 5-alpha-redutase. Dentre os efeitos indesejáveis provocados por este componente estão: A Dihidrotestosterona faz com que o folículo capilar pare de crescer cabelo. Homens com tendência à calvície tem mais concentração de DHL e afinidade a androgênicos no folículo do cabelo. Como medida paliativa, algumas pessoas utilizam androgênicos tópicos como minoxidil e polysorbate 80, mas com pouco ou nenhum resultado para a maioria. Muito embora pareça que a persistência no uso destas substâncias seja o melhor. O resultado parece ser obtido com mais consistência após meses de aplicação contínua. Também observa-se que DHL tem importante papel no mecanismo de aumento prostático. Este problema acontece com homens de mais idade, nos quais naturalmente a quantidade de DHL é maior. Só nos Estados Unidos ocorrem aproximadamente 400.000 prostatectomias anuais. Isso é um problema sério para muitos homens. A solução para esse problema é uma classe de medicamento denominado de inibidor de alpha-redutase. Como o nome diz, este medicamento inibe a enzima que converte a testosterona em DHL. Uma dessas drogas, comercialmente disponível, denomina-se Proscar. Infelizmente, essa droga pode ocasionar efeitos colaterais, como impotência, perda de interesse sexual e dores de cabeça em um número pequeno de pessoas. Você arrisca? A DHL também se relaciona com a formação de acne por fazer com que a glândula sebácea produza mais óleo, combinando isso com bactérias do ar, pele seca e outros, forma-se a acne. Como medida paliativa, podem-se utilizar remédios tópicos como retin-A, mas com a desvantagem de ocasionar vermelhidão na pele. Os esteróides variam quanto a sua tendência em se converter em DHL. Drogas ricas em andrógenos, tais como metandrostenolone (Dianabol) e oximetolona (Hemogenim), tendem a se converter rapidamente em DHL, enquanto drogas como oxandrolone (Anavar) e decanoato de nandrolona (Deca-Durabolim), não se convertem em DHL facilmente, não tendo dessa forma efeito pronunciado em relação à perda de cabelo, à acne e ao aumento da próstata. Outros efeitos colaterais não necessariamente vinculados à produção de DHL Este é um efeito bastante comum. Apesar de ter um lado positivo na academia durante treinamento, a agressividade pode ocasionar sérios problemas sociais, como perda de controle no trato com problemas triviais diários que fazem parte da vida de todos nós, podendo também ocasionar alienação e distanciamento daqueles que nos deveriam ser caros, os familiares, os amigos e os colegas de trabalho. Novamente são os esteróides mais androgênicos que causam este efeito mais acentuado. Se um atleta é mais maduro emocionalmente, terá meio caminho andado para controlar estes efeitos ou para decidir por uma droga menos androgênica. Ocorre que alguns esteróides tendem a reter água em várias partes do organismo, inclusive no sangue, fazendo com que este aumente de volume e, em conseqüência, de pressão. Os sintomas mais comuns da hipertensão são dores de cabeça, insônia e dificuldade respiratória. Esta pode também ser uma doença silenciosa, sem manifestações evidentes, o que a torna ainda mais perigosa. Dessa forma, o atleta sob o uso de esteróides deve medir a sua pressão arterial regularmente. Normalmente, a pressão limite é de 130/90 sistólica e diastólica, respectivamente, mas são necessárias algumas correções, dependendo da idade, sexo, diâmetro do braço etc, por isso só deve ser medida e interpretada por um médico. Sódio é elemento agravante, de forma que deve ser limitado na dieta por usuários de esteróides. Drogas como Dyaside, Catapres e Lasix são utilizadas no tratamento da hipertensão, mas são administradas exclusivamente com controle médico. Alguns esteróides, se utilizados por longo período ou em grande quantidade, têm como efeito colateral o fechamento prematuro dos discos de crescimento localizados nas epífises ósseas. Certamente este não é um problema para usuários maduros, mas uma preocupação para os mais jovens, ainda em crescimento. Para esse problema, a única solução é acompanhar a administração de esteróides com estudos radiográficos periódicos para verificar se está havendo interferência no crescimento linear. Os esteróides muito freqüentemente têm como efeito o aumento de LDL (mau colesterol) e a diminuição de HDL (bom colesterol). O aumento de LDL ocasiona o depósito de gordura nas artérias, aumentando o risco de enfarte e derrame. O aumento de colesterol plasmático normalmente retorna ao normal após ter cessado o ciclo de esteróides. Limitar o consumo de gorduras saturadas e a realização de atividades aeróbicas são recomendações úteis para este caso. Pode ocorrer efeitos como crescimento de pêlos na face, engrossamento da voz, hipertrofia do clitóris e amenorréia. Para este caso a escolha de esteróides com baixo componente androgênico é o melhor, muito embora estes efeitos reduzam-se ou desapareçam com o fim do ciclo de esteróides. Coloquialmente referida como “teta de cadela”, a ginecomastia é uma manifestação caracterizada por excessivo desenvolvimento dos mamilos em indivíduos do sexo masculino. Pode ocorrer em um ou em ambos os peitorais; usualmente, manifesta-se por uma coceira persistente e o aparecimento de um nódulo logo abaixo do mamilo. A ginecomastia normalmente aparece em 3 fases distintas da vida. Aproximadamente 60 a 90 % de bebês recém-nascidos apresentam uma pequena ginecomastia devido à presença de estrógenos na placenta da mãe. Neste caso, a hipertrofia do mamilo, normalmente, desaparece em algumas semanas. Muitos casos também se manifestam em adolescentes de 10 a 14 anos. Ocorre que em adolescentes, às vezes, a produção de estrógenos processa-se mais rápido do que a produção de testosterona, salientando-se assim caracteres femininos. E por último é a incidência de ginecomastia em homens da terceira idade que passam a converter estrógenos a partir da testosterona através de um processo denominado de aromatização. Esta hipertrofia normalmente não é cancerosa mas deve ser evitada. A ginecomastia também pode ser desenvolvida por usuários de esteróides anabólicos, especialmente por aqueles que utilizam esteróides mais androgênicos. Ocorre que estes são os mais suscetíveis à aromatização e a ginecomastia é um dos efeitos da aromatização. Às vezes, este processo é tão saliente que o nódulo formado abaixo do mamilo começa a atrair qualquer gordura existente em volta, aumentando ainda mais a saliência. A melhor forma de tratar a ginecomastia é evitar que ela apareça. Citrato de tamoxifeno (Nolvadex) é um antagonista de estrógenos que trabalha bloqueando os receptores de estrógenos, sendo o medicamento mais usado entre os usuários de esteróides anabólicos. O citrato de tamoxifeno é usado principalmente para tratar câncer de mama em mulheres. Este medicamento pode causar a redução parcial da ginecomastia. Como lado negativo, o uso de Nolvadex vem sendo relacionado com o desenvolvimento de câncer de fígado e uterino em mulheres que se servem dele por longo período. A melhor forma de evitar a ginecomastia é não utilizar esteróides anabólicos, mas, se isto for inevitável, o melhor é utilizar aqueles que pouco aromatizam, ou seja, os menos androgênicos. Em caso de persistência, a ginecomastia pode ser removida cirurgicamente por um bom cirurgião plástico. Também ocasionada pelos esteróides mais androgênicos, é um dos efeitos da elevação da pressão arterial. Limitar o uso de esteróides altamente androgênicos e controlar a pressão arterial é a principal medida. O uso de H.C.G. (gonadotrofina coriônica humana) também pode ocasionar ligeira enxaqueca. No início de um ciclo de esteróide, normalmente o homem passa por um período de excitação sexual com o aumento na freqüência de ereções. Porém, este efeito tem duração de algumas semanas, revertendo-se gradualmente para a perda de interesse sexual. Esta redução de libido sexual é resultado do cessamento ou redução na produção natural de testosterona devido à elevação excessiva de testosterona no corpo, proveniente da administração de esteróides anabólicos. Qualquer sintoma de impotência é temporário e cessa à medida que o esteróide deixa de ser administrado. Atletas que fazem ciclos de esteróides muito longos, periodicamente administram HCG (gonadotrofina coriônica humana) em intervalos regulares, usualmente a cada 6 semanas. Neste caso, o HCG estimula os testículos a produzir testosterona natural, evitando assim os sintomas relacionados. O HCG também é utilizado no final do ciclo de esteróides para acelerar a volta da produção natural de testosterona e muitas vezes para reduzir o intervalo entre ciclos de esteróides. Os esteróides têm efeito estimulante no sistema nervoso central, o que pode provocar insônia. Para evitar o problema, os esteróides orais só devem ser administrados 6 horas antes de ir dormir e os injetáveis logo ao acordar. O efeito também desaparece com a interrupção da administração. Quase todos os esteróides causam lesão no fígado, sendo que os 17 alpha- alquelados são os mais tóxicos pela dificuldade de processamento. A maior parte das lesões promovidas no fígado são reversíveis tão logo o uso do medicamento seja interrompido. Porém, efeitos mais sérios como icterícia somatizada pelo amarelamento da pele, das unhas e branco dos olhos é um sinal para imediata interrupção do medicamento e procura de orientação médica para monitoração das funções hepáticas. Acredita-se que o uso de “evening primrose oil” reduz a lesão hepática por repor no fígado ácidos graxos depletados pelos 17 alpha-alquelados. Os outros hepatoprotetores têm eficiência ainda duvidosa. 4.14. PROBLEMAS DE TENDÕES E LIGAMENTOS Sob o efeito de esteróides anabólicos o músculo se trona mais forte pelo aumento no tamanho das fibras musculares e pela maior retenção de fluidos. Ocorre que muitas vezes esse aumento de força é desproporcional à capacidade de adaptação dos tendões e ligamentos (terminações que conectam o músculo ao osso) que têm este processo mais lento. Em decorrência disso, muitos atletas experimentam inflamações, inchaço e até ruptura de tendões e ligamentos. A única forma de evitar este problema, que pode retirá-lo do cenário por semanas ou meses, é obter ganhos progressivos e incluir periodicamente exercícios de alta repetição em seu treinamento com o objetivo de fortalecer os tendões. Estes são alguns dos efeitos colaterais mais comuns. De novo, a melhor forma de evitá-los é não utilizar esteróides anabólicos ou, se os utilizar, procurar monitoração médica para que estes efeitos sejam minimizados. 5. ESTERÓIDES ANABÓLICOS MAIS UTILIZADOS Neste item analisaremos uma relação dos esteróides anabólicos mais utilizados no mundo do culturismo, tanto de nacionais como de estrangeiros. Constará esta relação de uma ligeira descrição técnica e dos resultados normalmente obtidos com o uso de cada medicamento.
É muito importante observar que a maior parte das informações aqui
contidas não são baseadas em estudos científicos e que as dosagens aqui
mencionadas não são as dosagens terapêuticas que atendem às
necessidades originais destes medicamentos e sim dosagens muito mais
elevadas que podem causar danos à saúde. Estas informações são
resultado do processo de tentativa e erro por parte de inúmeros
culturistas, sendo a maioria verdadeiros postulados na musculação, o que,
porém, não diminui os riscos dessas dosagens.

Gostaria de salientar que as drogas encontradas no Brasil de fabricação
O maior problema são as importadas vendidas na clandestinidade. Ocorre que, a partir de meados da década de 80, o governo dos Estados Unidos passou a realizar uma campanha de apreensão de esteróides anabólicos, após ter sido pego um número grande de atletas em testes positivos para esteróides e desqualificados das competições. Essa campanha foi bastante efetiva, mas, como efeito negativo, o governo americano retirou a comercialização de esteróides das mãos de legítimos representantes e passou para as mãos de fraudadores e contrabandistas que acabaram criando um mercado milionário. Calcula-se, que no presente momento, existam mais de 200 laboratórios clandestinos nos EUA. A maior parte da produção destes laboratórios clandestinos não contém nenhum esteróide ativo, sendo os injetáveis apenas óleo vegetal e os comprimidos placebos inativos. Às vezes, estes produtos contém esteróide, porém não aquele anunciado, mas um outro mais barato, ou o original em quantidades reduzidas. Estes esteróides clandestinos podem representar sério risco para a saúde por serem fabricados fora dos padrões de higiene. Na Europa o problema é semelhante. Particularmente na Inglaterra, o controle de fabricação e venda é mais rigoroso. No parlamento inglês está um projeto de lei que classifica os esteróides anabólicos como drogas de categoria A, semelhante à cocaína, êxtase e maconha. Nos EUA, esteróides anabólicos já são classificados assim faz alguns anos. Existem algumas formas de identificar drogas legítimas das falsas. Por exemplo, o impresso na ampola é normalmente em alto relevo nas legítimas; enquanto que em algumas falsificadas o impresso é plano e sai facilmente, raspando-se levemente com a unha. As bulas das falsas, muitas vezes vêm com margens ásperas e não simétricas e o impresso é desbotado; enquanto as das legítimas são, muitas vezes, laminadas e protegidas contra raios UV ou envernizadas para prevenir que desbotem. O número do lote e data de vencimento que aparece na caixa não deve estar no mesmo impresso que os demais dizeres. O número nas originais normalmente é impresso com rolo metal que deixa uma clara identificação da data. Mais recentemente, a indústria farmacêutica vem utilizando matriz por pontos ou impressão por jato de tinta para indicar as datas e número do lote. Os fraudadores imprimem tudo com a mesma tinta. Estas são as melhores formas para identificar esteróides falsos, mas para ter certeza absoluta é só com exame de laboratório utilizando tecnologia avançada, como cromatografia a gás e espectrometria de massa, porém isso custa algo como 1.000 dólares. Neste item iremos trabalhar com unidades de medida. Para evitar qualquer - unidade de volume para óleo e suspensão aquosa podem ser em cc (centímetro
cúbico) ou ml (mililitro) e 1cc = 1ml.
- unidade de peso é expressa em g (grama) e a dosagem dos comprimidos é em
mg (miligrama) ou, às vezes, em frações de miligramas (microgramas).
Dicionário de esteróides mais utilizados no mercado nacional e internacional Anabolicum Vister (quimbolone)
Este é um esteróide originalmente destinado ao tratamento de mulheres no período pós-menopausa e ao tratamento de sintomas relacionados com o envelhecimento. É um esteróide muito pouco androgênico, não aromatiza e não é tóxico ao fígado por não ser um 17 alpha-alquelado, mas por outro lado tem um efeito anabólico muito restrito. Atletas que estão iniciando o uso de esteróides, como também mulheres, são as que podem obter melhores resultados, enquanto aqueles já acostumados com drogas mais fortes não conseguem bons resultados administrando este esteróide. Apresentação: Recipiente de vidro contendo comprimidos de 10 mg. É produzido somente na Itália pela PARKE DAVIS.
Anabol (metandrostenolona)

Com o nome de Dianabol esta droga foi inicialmente produzida nos EUA pela
CIBA, porém a produção parou há muitos anos, de forma que, se você encontrá-la com este nome muito provavelmente é falsificada ou vencida a muitos anos, porém a mesma droga é encontrada com os seguinte nomes: Anabol produzido na Tailândia; Metandionona-5 da Finlândia; Andoredan e Encephan no Japão; Metanabol na Polônia; Nerobol na Hungria; Pronabol-5 na Índia; Stenolon na República Checa e Naposim na Romênia. Este foi e é um dos esteróides orais mais populares, principalmente entre aqueles que não são muito chegados ao desconforto de injeções. Esta droga, em doses adequadas, mostra ser bastante androgênica, causando significativos ganhos em força e volume muscular em questão de algumas semanas de uso. A maior parte do ganho em força deve-se ao potencial de retenção hídrica causado por este esteróide, o que o torna muito válido enquanto estiver em fase de aumento de massa muscular, mas indesejável em fase pré-competição (definição). Por ser um alpha-alquelado tem efeito bastante tóxico ao fígado em altas dosagens. Por aromatizar, pode causar ginecomastia em algumas pessoas e também a acne é problema para alguns. Para evitar ginecomastia normalmente é acompanhada a administração desta droga com o uso de citrato de tamoxifena (Novaldex). Mulheres devem evitar o uso desta droga, porém se decidirem utilizá-la, a dosagem deve ser baixa. Para homens a combinação de metandrostenolona e Deca-Durabolin (17-decanoato de nandrolona) por semana, normalmente causa drásticos aumentos de força e massa muscular, sendo uma da séries mais eficientes e seguras que se pode fazer. Apresentação: Usualmente comprimidos de 5 mg em embalagens diferentes, dependendo do laboratório. Anabol é vendido em embalagem plástica contendo mil
comprimidos. Pronabol-5 em caixa rosa contendo 50 comprimidos. A produção de
Pronabol-5 foi interrompida, mas ainda pode se encontrar estoques em diversos
lugares na Europa.
Anavar (oxandrolone)
Esta droga foi originalmente comercializada na década de 60 pela Searle em diversos países com nomes diferentes: Anavar (EUA), Lonavar (Argentina, Japão e Austrália), Lipidex (Brasil) e outros. Mas em 1989 este laboratório interrompeu a produção porque não queria ter o seu nome associado a esteróides. No entanto, outros laboratórios como SPA da Itália, BTG dos EUA, Kowa e Dainippon do Japão, continuam a produzir o mesmo medicamento. Oxandrolone é moderadamente androgênico e com bom efeito anabólico, não causando efeitos colaterais pronunciados. Por isto também é utilizado por mulheres. O Anavar tem como efeito principal um grande aumento de força por ampliar os depósitos de fósforo creatina intracelular (fonte de combustível muscular para esforços imediatos de curta duração – com até 10 segundos, aproximadamente). É utilizado normalmente em conjunto com Parabolan para densidade muscular e com Deca para aumento de massa. Apresentação: Caixa com 30 comprimidos de 2,5mg cada. É produzido pela SPA da Itália.
Androxon (undecanato de testosterona)

Esta droga, também encontrada no Brasil, foi tida pela mídia americana como um excelente esteróide por não ser alquelado. O Androxon é absorvido pelo intestino não passando pelo fígado, de forma que não representa risco de toxidade para o mesmo como as demais drogas orais. Como desvantagem, a base contida neste esteróide tem um curto período de vida na corrente sangüínea, de forma que deve ser ingerido mais constantemente para manter uma dose estável no sangue. Outra suposta propriedade desta droga é que ela não promove a interrupção da produção natural de testosterona e não aromatiza. Apesar de todas estas maravilhas é uma pena que o Androxon não tenha boa reputação na fraternidade dos culturistas por não ocasionar nenhum ganho de força ou de massa muscular segundo depoimento de quem já utilizou até duas vezes acima da dose máxima recomendada. Apresentação: Cápsula marrom de 40 gr em caixas contendo 60 unidades. É produzido no Brasil pela ORGANON.
Deca-Durabolin (17-decanoato de nandrolona)

Este esteróide, também encontrado no Brasil, originalmente foi desenvolvido pela Organon na década de 60, mas atualmente diversos outros laboratórios produzem este esteróide, como o Extraboline da Grécia e o Dynabolon da Itália que é uma variação do decanoato de nandrolona sendo mais androgênico do que a Deca original. A Deca em sua forma original é moderadamente androgênica, com boas propriedades anabólicas, sendo usado para ganho de massa muscular e pré-competição, porém, alguns atletas tendem a reter muito líquido com esta droga. A Deca é muito usada como uma droga de base para todo o ciclo de esteróide (desde que fora de temporada) por evitar inflamações e dores articulares que podem ocorrer devido a realização de treinamento pesado. A diferença de Deca produzida no Brasil é que esta vem com a concentração de 25 mg/ml ou 50 mg/ml, enquanto no exterior existe concentração de 100 mg/ml. Apresentação: Ampolas de 25 ou 50 mg/ml. É produzido no Brasil pela ORGANON.
Deposteron (cipionato de testosterona)

Esta droga injetável é conhecida por promover rápido ganho de força e volume muscular. É altamente androgênica e com boas propriedades anabólicas. Como a maior parte das testosteronas, esta droga tende a aromatizar facilmente, sendo provavelmente a maior responsável pelas ginecomastias entre culturistas. Por reter muita água, pode causar acentuada elevação na pressão arterial em alguns usuários. É utilizada fora de temporada, quando o objetivo é ganhar peso. O Deposteron também tem a fama de atrofiar os testículos mais rapidamente do que qualquer outra droga do mercado, além de ocasionar perdas vertiginosas de força e volume tão logo a droga seja descontinuada. Encontra-se como recomendação o acompanhamento com Nolvadex durante a administração do cipionato. Na Europa o laboratório Leo produz o cipionato de testosterona com o nome de Testex, no Brasil a Novaquímica produz o Deposteron. Apresentação: Caixa com uma ampola de 200 mg/ml. É produzido pela Novaquímica no Brasil.
Durateston (decanoato de testosterona, fenilpropionato de testosterona,
isocaproato de testosterona e propionato de testosterona)

Este esteróide injetável é a combinação de 4 compostos de testosterona. A idéia de misturar estes diferentes ésteres é obter uma ação imediata após a aplicação e mantê-la por um longo período. O propionato de testosterona tem uma ação imediata, mas de curto período; o fenilpropionato e o isocaproato têm um início de ação mais lento, porém de maior duração. Esta droga mostra excelentes resultados em aumento de força e ganho de peso e não parece promover retenção hídrica como a maioria dos esteróides altamente androgênicos, mas mesmo assim só é utilizada fora de temporada. Outra vantagem observada pelos usuários é que se pode utilizar esta droga por maior período de tempo pelo fato de não causar maciço fechamento dos cito receptores como acontece com muitos esteróides. Mulheres não devem utilizá-la. Na Europa o laboratório Organon produz o mesmo medicamento com o nome de Sustanon. A Ciba-Geigy produz na Suíça outra droga semelhante seguindo a mesma idéia de liberação gradual com o nome de Triolanden, enquanto na Grécia é produzido o Omnadren. Apresentação: Ampola de 250 mg/ml (30 mg de propionato de testosterona, 60 mg de fenilpropionato de testosterona, 60 mg de isocaproato de testosterona e 100
mg de caproato de testosterona). É produzido no Brasil pela Organon.
Equipoise (undecilenato de boldenone)

Apesar de ser uma droga de uso exclusivamente veterinário, há muitos anos culturistas a descobriram e desde então vem sendo utilizada para aumentar força e volume. Parece ser uma droga bastante anabólica, mas muito pouco androgênica, moderadamente tóxica ao fígado e com baixo nível de aromatização. O Equipoise tem efeito similar ao da Deca sendo que alguns atletas obtêm um físico bastante denso com a administração fora de temporada e pré-competição também. Esta droga é bem tolerada por mulheres. Apresentação: de multidosagem contendo 10 ml (50 mg/ml). É produzido no Brasil pela Squibb.

Esiclene (formebolone)

Este é um esteróide anabólico de uso bizarro. O objetivo desta droga é ocasionar um efeito puramente cosmético (localizado) que tem a duração média de 24 horas. Por isso é utilizada horas antes da competição. O Esiclene promove uma inflamação no local da aplicação, aumentando assim o volume do músculo por inchaço. Este é um dos poucos esteróides em solução aquosa e apesar de conter tintura de lidocaína (anestésico) nesta mistura, usuários testemunham que é uma injeção muito dolorida. O Esiclene é principalmente utilizado no bíceps, tríceps, ombros e panturrilha em injeção profunda, utilizando-se seringa e agulha de insulina. Se a aplicação não for profunda o líquido pode acabar sob a pele, prejudicando a definição. Alguns atletas mais radicais utilizam agulhas convencionais para garantir profundidade. Apresentação: Caixa com 6 ampolas de 2 ml cada. É produzido pelo LPB Pharmacheuticals de Milano (Itália).
Gabormon (Metiltestosterona)

Este é um tipo de esteróide oral de curto período ativo no organismo, menos de uma hora, sendo a maior parte de seu componente ativo neutralizado no fígado. A este esteróide é acrescido o ácido gama-eminobutírici que é um mediador químico que age na transmissão do influxo nervoso nas sinapses. Não tem propriedades anabólicas significativas, sendo mais usado por levantadores olímpicos antes de treinamento pesado ou antes de competições para aumentar a agressividade. Apresentação: Frasco com 20 comprimidos (10 mg de metiltestosterona e 5 mg de ácido gama-eminobutírico cada comprimido). É produzido no Brasil por Química e
Farmacêutica Nikkho do Brasil.
Halotestin (fluoximesterona)

O Halotestin só é utilizado nas últimas semanas que antecedem o campeonato por ser muito tóxico ao fígado. O objetivo é aumentar o nível de andróginos no organismo enquanto estiver realizando supercompensação de carboidratos e também aumentar a vascularização, tendo como característica principal o poder de não reter muita água. O Halotestin, no momento, só parece estar sendo produzido pela Upjohn na Grécia. Mulheres não devem utilizar a droga. Por ser altamente androgênico o Halotestin pode causar sérias mudanças no temperamento. Apresentação: Frasco com 20 comprimidos de 5mg cada, produzido pela Upjohn.
Hemogenin (oximetolona)

Esta droga é conhecida como o esteróide oral mais poderoso que um culturista pode administrar. Ela ocasiona um rápido ganho de força e volume muscular, mas, devido à sua alta toxidade ao fígado, a dose e o ciclo de utilização devem ser limitados, pois sua utilização pode tornar mais pronunciados os outros efeitos colaterais mencionados anteriormente. Mesmo em dose reduzida é de praxe o uso de Nolvadex para se limitar alguns dos efeitos indesejáveis. O tempo de uso verificado não ultrapassa 6 semanas. Onde as repetições de consumo só ocorrem com intervalos de 6 a 8 semanas. Ao contrário do Halotestin, o Hemogenin não é utilizado em fase de pré-competição, tendo em vista que ocasiona muita retenção hídrica. Mulheres não devem utilizá-lo. Apresentação: Caixa com 10 comprimidos de 50mg cada. É produzido pela Syntex no Brasil.
Parabolan (trembolone)

Este esteróide de ótima reputação só era produzido na França. Faz alguns anos que sua fabricação foi interrompida, mas em 1996 o laboratório Negma voltou a fabricá-lo na Bélgica. É um injetável derivado da 19-nortestosterona, a mesma derivação da Deca-Durabolin; por isso ambas as drogas tem efeitos similares. Usado em dosagens adequadas é uma das drogas favoritas para fase pré-competição, tendo em vista que o efeito androgênico do Parabolan promove excelente efeito cosmético, ou seja, vascularização e alta densidade muscular sem retenção hídrica aparente. Superdosagem tende a aromatizar como a maioria dos esteróides. O Parabolan também é utilizado com sucesso em fase de aumento de volume muscular, normalmente é administrado com outro esteróide altamente androgênico. Quando administrado sozinho, não se verifica o uso de Nolvadex em paralelo. Isto só se apresenta, quando a administração for realizada junto com outro esteróide androgênico que retenha muita água, tal como Anabol e Hemogenin. Apresentação: Caixa com uma ampola de 76 mg / 1,5 ml. É produzido pela Negma.
Primobolan (mentelona)

Este esteróide produzido pela Shering na Europa, poderia vir na forma oral e injetável. Eram os famosos comprimidos de 50 mg, mas a sua produção foi descontinuada em 1993, só restando o de concentração de 25 mg, e a forma injetável DEPOT, com 100 mg/ml. O Primobolan é atualmente o favorito para a pré-competição por produzir densidade muscular em dieta para perda de gordura e líquido subcutâneo. A maior parte dos atletas preferem a versão injetável por ter que ser administrada apenas uma vez por semana, porém alguns preferem a versão oral para os dias que antecedem a competição. O Primobolan também é o esteróide favorito entre as atletas do sexo feminino. Apresentação: Comprimidos (caixa com 50 comprimidos de 25 mg). ACETATO (caixa com 3 ampolas de 10-20 mg/ml). DEPOT (caixa com uma ampola de 100
mg/ml). Todos produzidos pela Shering na Europa.
Proviron (mesterolona)

Este é um esteróide anti-aromatizante não tóxico. Também não tem propriedades anabólicas. É utilizado por ter ação similar ao citrato de tamoxifeno. Não bloqueia os citos receptores de estrógenos como faz o citrato de tamoxifeno, mas evita que os esteróides aromatizem. Muitos atletas utilizam o Proviron em conjunto com o Nolvadex num esforço para reduzir os efeitos colaterais. Como ponto negativo, o Proviron parece competir com os esteróides anabólicos por citos receptores no músculo, reduzindo assim o efeito anabólico dos esteróides. O Proviron é utilizado por culturistas de ambos os sexos não só para evitar a ginecomastia mas também para aumentar a densidade muscular. Apresentação: Frasco com 20 comprimidos sulcados. É produzido pela Shering do Brasil.
Testosterona suspensão
Esta droga é assim denominada porque deve ser agitada para que os cristais se
misturem à solução baseada em álcool desidratado e clorofórmio. A testosterona
suspensão só tem atividade por algumas horas no organismo, senão minutos, antes
que seja eliminada, principalmente pela urina. Este esteróide é utilizado por
levantadores olímpicos e basistas para aumentar o potencial de força logo antes de
treinamento pesado ou competição. Mulheres não devem utilizá-la.
Apresentação:
multi-uso contendo 25 mg, 50 mg ou 100 mg por ml. É produzida pela Steris nos EUA. O frasco multi-uso aumenta o risco de contaminação!
Propionato de Testosterona

Este é um esteróide injetável de base oleosa produzido por diversos laboratórios como o International Labs de Bangkok, Paynes Laboratoires do Kenya Steris dos EUA e outros. Por não ser muito androgênico ele não causa efeitos colaterais pronunciados sendo o preferido pelos culturistas mais preocupados com o desenvolvimento de ginecomastia, a queda de cabelo e outros efeitos colaterais que são mais freqüentes e intensos em pessoas de mais idade, principalmente a partir dos 30 anos de idade. Apesar de não ser muito androgênica, esta droga promove ganhos de força e volume bastante significativos sem acarretar muita retenção hídrica. O período de vida ativa desta droga na corrente sangüínea varia de 1 a 2 dias. Mulheres utilizam o propionato de testosterona em dosagens inferiores à masculina. Apresentação: Ampola de 100 mg / 2 ml ou frasco multi-uso de 10 ml com 104,2 mg / ml dependendo do laboratório.
Testoviron DEPOT (enantato de testosterona)

Esta é uma das testosteronas de ação mais prolongada no organismo. O efeito desta droga é bastante lento, porém duradouro. É normalmente administrada em conjunto com algum outro esteróide bastante androgênico. O seu efeito é similar ao promovido pelo cipionato de testosterona, porém sem tanta retenção hídrica. O Testoviron também é utilizado no final de um ciclo de esteróide por permitir uma volta gradual da produção fisiológica de testosterona, evitando assim choque vertiginoso com perda de peso, como acontece ao interromper o ciclo de outros esteróides. Mulheres não devem utilizá-lo. Apresentação: Ampola de 250 mg/ml produzido pela Shering na Europa.
Winstrol

Este esteróide pode vir na versão oral e injetável em diluente aquoso. Winstrol é um esteróide pouco androgênico e moderadamente anabólico, não promovendo aromatização nem retenção hídrica significativa, porém em alta dosagem pode ser tóxico ao fígado – principalmente o oral. O Winstrol é bastante controvertido no mundo do culturismo. Enquanto algumas pessoas experimentam ganhos de força e volume, outras afirmam que comprar Winstrol é perda de tempo e dinheiro. Talvez só algumas pessoas tenham os receptores específicos para este componente químico. De qualquer forma, o Winstrol só se verifica a utilização em fase de definição quando se busca densidade sem correr o risco de acumular líquido subcutâneo. É administrado com o Parabolan ou o Primobolan. Algumas mulheres utilizam esta droga em dosagens baixas e mesmo assim parece ocasionar pequena virilização em algumas. Apresentação: Caixa com trinta comprimidos cor de rosa de 2 mg cada e caixa com 3 ampolas de 50 mg/ml cada. É produzido na Europa pelo laboratório Zambon. 6. OUTRAS DROGAS (NÃO ESTERÓIDES ANABÓLICOS) MAIS UTILIZADAS NO Nolvadex (citrato de tamoxifeno)

Mencionado no item 4, esta droga tem como função principal o combate dos tumores de mama em homens e mulheres. Por ter ação bloqueadora de estrógenos, é
usada por culturistas para evitar problemas como ginecomastia, retenção hídrica e
formação de tecido gorduroso específico feminino. Estes efeitos ocorrem quando o
nível de estrógenos em indivíduos do sexo masculino é muito baixo e passa a
predominar os andrógenos. O Nolvadex age através do bloqueio dos citos receptores
de estrógenos. É importante salientar que tem-se observado em pessoas que
utilizam esta droga por prolongado período de tempo o desenvolvimento de
câncer uterino e de fígado.
O Nolvadex normalmente começa a ser utilizado de 2 a
4 semanas antes de se iniciar um ciclo de esteróides para criar uma base de bloqueio
dos receptores de estrógenos e só se pára após 2 a 4 semanas da interrupção do ciclo
de esteróides. A dosagem depende da intensidade dos efeitos colaterais que o atleta
manifesta. Mulheres seguem as mesmas recomendações.
Apresentação: Comprimidos de 10 mg ou 20 mg produzidos no Brasil pela ICI. Este é um dos medicamentos mais caros que se pode encontrar em uma farmácia.
Serofene (citrato de clomifeno)

Este é um medicamento não esteróide, indicado originalmente na indução da ovulação nas mulheres que desejam engravidar. Porém, quando notou-se que o uso prolongado do citrato de clomifeno podia causar cistite ovariana, o medicamento passou a ser administrado apenas por curto período de tempo (5 dias). Como o medicamento possui a capacidade de bloquear os estrógenos nos receptores e imitar o LH (Luteinizing Hormone) através do aumento da produção de estrógeno, desta forma passou a ser utilizado por homens que desejam beneficiar-se desses efeitos, diminuindo assim os efeitos colaterais dos esteróides mais androgênicos, tais como a ginecomastia, e aumentando a produção de testosterona. Já que não existe nada parecido com cistite no testículo, o medicamento parece ser bem tolerado se utilizado por um longo período de tempo. Apresentação: Serofene: Caixa contendo 1 ou 3 blister com 10 comprimidos de 50 mg cada. Produzido pelo laboratório Serono. Clomid: Caixa contendo 10 comprimidos de 50 mg. Produzido pela Medley.
Pregnyl ou Profase HCG (gonadotrofina coriônica humana)

Esta é uma droga que promove a fertilidade (ovulação) em mulheres com dificuldade para engravidar. O HCG é uma droga elaborada a partir da purificação da urina de mulheres grávidas que naturalmente é rica neste hormônio. A função desta droga no homem usuário de esteróides anabólicos é a de estimular a produção natural de testosterona após um ciclo de uso de esteróides prolongado ou no meio deste através do envio de um falso sinal ao testículo prevenindo assim o fechamento da produção natural de testosterona e a atrofia dos testículos. Já que este não é um hormônio masculino, ele acaba por imitar o LH (Luteinizing Hormone) que é um estimulador da produção de testosterona presente no organismo. Mesmo sem a administração do HCG a produção de testosterona voltaria ao normal de qualquer forma após cessar o ciclo de esteróides, porém este sinal enviado em função da presença de HCG no organismo apressa este processo. No meio ou durante o ciclo de esteróides, esta droga também é utilizada para adicionar testosterona natural aos esteróides administrados artificialmente, aumentando assim os ganhos de força e volume muscular. A maciça elevação dos níveis de andrógenos promovida por esta combinação pode ocasionar a salientação dos efeitos colaterais, de forma que o uso de Nolvadex e/ou Proviron são usados como medida para aliviar tais sintomas. Existe relato de que o uso de HCG pode elevar em até 500 % a produção normal de testosterona em alguns homens. Como ponto negativo existe uma teoria que relaciona o uso contínuo e prolongado de HCG com o fechamento definitivo do mecanismo natural de produção de testosterona no homem, de forma que para ficar do lado seguro da ponte é conveniente utilizar esta droga em períodos não superiores a 2 – 3 semanas. Mulheres não devem fazer uso desta droga a não ser que queiram engravidar. Apresentação: Ampolas/Frascos - ampolas: 1.000, 2.000, 5.000, 10.000 UI. Em caixa com 1 ampola/frasco de Profase HP acompanhada de ampola de solvente de 1 ml. É produzido pela Serono no Brasil. Caixa com 3 ampolas contendo 1.500 UI do HCG liofilizado (Pregnyl) cada uma e 3 ampolas de diluente; ou caixa com 2 ampolas de 5.000 UI de HCG liofilizado cada
uma e 2 ampolas de diluentes. É produzido pela Akzo Nobel Ltda. – Divisão Organon.
Cynomel (L-triiodotironina sódica)
O Cynomel é uma produção sintética do hormônio da tiróide T3. Ele é utilizado para acelerar o metabolismo e principalmente aumentar a lipólise (queima de gordura) em fase de definição. Atletas testemunham ser possível ficar mais denso, mesmo ingerindo mais calorias, e ao mesmo tempo manter mais massa magra quando se administra o T3. Como efeito colateral mais sério, o Cynomel pode ocasionar o fechamento da produção natural de T3 definitivamente, se utilizado por longo período de tempo, ocasionando assim uma doença denominada de hipotiroidismo. O Cynomel é normalmente utilizado em combinação com o Clembuterol, ocasionando um efeito sinergista com surpreendente queima de gordura. A interrupção da utilização do Cynomel deve ser gradual e ocorrer por um período de 2-3 semanas para que lentamente possa se restabelecer a produção natural deste hormônio. Interrupções bruscas podem ser perigosas e causa de baixa vertiginosa no metabolismo basal provocando com isso rápido acúmulo de gordura. Apresentação: Cynomel 25mcg e 50 mcg. Caixa contendo 40 comprimidos. É produzido pelo laboratório Enila.
GH (hormônio do crescimento)

Este é um dos medicamentos mais comentados nos círculos de culturistas, porém ao alcance de poucos, devido à dificuldade de obtenção, ao preço (é a droga mais cara que um culturista pode comprar) e pelas condições especiais de armazenagem. Mais especificamente o r-hGH (somatrofina) é um produto obtido por engenharia genética, sendo idêntico ao hormônio produzido originalmente pela hipófise humana. Inicialmente este hormônio era retirado diretamente de cadáveres humanos, mas problemas sérios de contaminação ocorreram. Ao GH retirado de cadáveres foi relacionado o desenvolvimento de uma doença cerebral rara e fatal, a doença de Creutzfeld-Jakob. Isso estimulou a criação de uma hormônio sintético, sendo que o Hormônio do Crescimento Humano não se encontra mais no mercado. O Hormônio do Crescimento é um hormônio polipeptídico composto de 191 aminoácidos. O GH é liberado pela hipófise, quando ocorrem estímulos fisiológicos específicos como o treinamento, durante o sono profundo e baixo nível de açúcar no sangue (hipoglicemia). O GH induz o desenvolvimento ósseo e da massa magra por ocasionar anabolismo protéico e retenção de hidrogênio, além de estimular a lipólise (queima de gordura corporal), mas isso não ocorre diretamente, porque o GH é neutralizado no fígado em menos de 1 hora após injetado. De fato o GH estimula o fígado a eliminar uma substância química denominada somatomedina, sendo que a mais poderosa é a somatomedina-C também denominada insulin-like growth factor-1 (IGF-1) e esta é a substância que viaja pelo corpo causando, por várias horas, os efeitos anteriormente mencionados. Terapeuticamente medicamento é utilizado em crianças com atraso no crescimento ósseo, mas é utilizado também por culturistas e outros atletas de várias modalidades e em tratamento geriátrico. Em geriatria, a aplicação deste hormônio comprovadamente vem promovendo aumento de massa muscular, aumentando a densidade óssea e reduzindo gordura corporal significativamente. Em forma liofilizada ou dissolvida, este medicamento deve ser mantido constantemente a uma temperatura entre 2-8 graus centígrados, e, a partir do momento em que for dissolvido, deve ser consumido em 7 dias no máximo, sob o risco de se perder seu valor biológico. Só isto creio que já seja razão suficiente para questionar as condições de transporte e armazenamento desta droga antes de gastar uma fortuna com ela. Mas se decidir arriscar, cremos que o melhor é ir até o laboratório e adquirir o medicamento lá. O uso demasiado do GH pode ocasionar deformidade em cartilagens moles dos dedos, da mandíbula e de algumas junções ósseas do crânio. Observe o sorriso de alguns culturistas profissionais, parece haver um dedo de distância entre os dentes frontais. Existem culturistas que apesar de serem maior de idade, todo ano têm que comprar sapatos e tênis novos, porque o pé não pára de crescer. Como este hormônio pode, em doses elevadas, ocasionar resistência à insulina, normalmente é acompanhado com aplicação de insulina rápida. Acredita-se também que o GH é mais efetivo, quando administrado com esteróides anabólicos altamente androgênicos como Hemogenin, Halotestin, Deposteron e outros. Nós particularmente contestamos esta teoria, basta observar a elevada taxa de crescimento de um jovem pré-púbere, que se dá pela ação exclusiva do GH, já que o jovem não produz testosterona, ou seja, o GH funciona mesmo na ausência de esteróides androgênicos. Será diferente num indivíduo adulto? Talvez o que haja seja apenas uma somatória de atividades anabólicas. Levando-se em consideração o preço, este é um ergogênico de uso impraticável pela maioria, pelo menos para utilização por longo período de tempo. Esta limitação financeira faz com que culturistas intermediários utilizem esta droga apenas nas semanas que antecedem o campeonato ou utilizem substâncias que auxiliem a liberação natural do GH, como é o caso dos aminoácidos Ornitina e Arginina. Ocorre que nenhum destes aminoácidos parece ser efetivo para todos e a dose que pode causar algum efeito positivo é muito elevada, o que com certeza irá causar distúrbios estomacais para a maioria. Normalmente atletas são acomselhados a acordar no meio da noite para tomar estes aminoácidos, sendo que também podem ser administrados separadamente ou em conjunto. Se tomados em conjunto, recomenda-se dose de 2 partes de arginina e 1 de ornitina. Apresentação: Ampola com solvente estéril e ampola com sais liofilizados contendo 4 UI cada. É produzido com o nome de Saizen pela Serono no Brasil. O
laboratório Lilly também produz o GH com o nome de Humatrope em diversos países
da Europa. A Genentech produz o Protropin nos EUA. No Japão é produzido pela
Nikken o Corpormon. Existem ainda outros produtos vindos do leste europeu sob
diversos nomes.
Melatonina

Este é um hormônio que se origina na glândula pineal. A melatonina, quando liberada, causa sonolência e sensação de relaxamento. Somente a partir de 1994 é que passou a haver interesse maior por essa substância pela sua divulgação entre pessoas que realizam viagens internacionais, isso com a finalidade de ajustar o horário biológico com o do país visitado. A melatonina é normalmente secretada, causando sonolência e relaxamento, quando se faz uma refeição muito rica em carboidratos, quando se toma um banho quente prolongado ou quando há exposição ao sol. Além de induzir o sono, pesquisas demonstram que a melatonina é um poderoso anti-oxidante que retarda o processo de envelhecimento. Pesquisas sugerem ainda que a melatonina possivelmente reduz o nível do hormônio catabólico cortisol. Existem também evidências de que a melatonina estimula a produção de GH. Só por ser um poderoso anti-oxidante já justificaria o consumo de melatonina. Outra vantagem é que a melatonina não causa dependência nem precisa ser ciclada. Por causar sonolência não deve ser administrada durante o dia, principalmente se o indivíduo tiver de dirigir ou realizar qualquer outra atividade que requeira atenção. Apresentação: com 3 mg de melatonina. É produzido por vários 7. COMO SÃO MONTADAS AS SÉRIES DE ESTERÓIDES É importante salientar que as informações neste item também não
são baseadas em estudos científicos, mas por observações coletadas pelo
método de tentativa e erro por parte de culturistas ao redor do mundo,
podendo servir como bases para futuras pesquisas. Novamente, não se
trata de receitas médicas e a prática destas séries de esteróides, sem
prévia consulta e autorização médica, pode acarretar risco à saúde.

Antes de irmos em frente é conveniente esclarecer alguns termos correntes na
Ciclo ou série de esteróides – trata-se do período de tempo e da dosagem
Combinação ou acumulação – trata-se do uso de 2 ou mais esteróides ao
mesmo tempo para obter um efeito sinergista. Mas nem sempre esta acumulação se refere apenas ao uso de esteróides. Como exemplo, combinam-se efedrina/cafeína/aspirina, GH e insulina ou Hemogenin e Nolvadex. Estabilização é o que ocorre quando um esteróide não produz mais o efeito
desejado. Atribuindo-se essa ocorrência ao fechamento do cito receptor para o determinado esteróide. Ajustamento é quando o atleta deixa de usar uma droga e passa a utilizar
outra, evitando assim a estabilização. Pelo menos é isto que se calcula, muito embora não se saiba se este mecanismo funciona ou não. Diminuição é a interrupção gradual do uso de drogas para que o organismo
não sofra um choque fisiológico abrupto e sim reinicie a produção natural da substância administrada artificialmente de forma gradual. Na montagem de uma série de esteróides alguns fatores são levados em Quantidade de esteróides: É sabido que os resultados obtidos por uso de
esteróides estão relacionados com a dosagem utilizada. Muito pouco esteróide em nada irá contribuir em termos de ganhos desejados, porém, muito esteróide pode acarretar riscos iminentes à saúde. Período de utilização de uma mesma droga: Como foi mencionado
anteriormente, parece haver estabilização de uma droga quando esta é utilizada por longo período de tempo. Normalmente não se utiliza a mesma droga por mais de 4 a 6 semanas. Após isso parece que a droga não promove mais o efeito desejado. Drogas que se podem obter: A montagem de uma série de esteróides
depende das drogas que se têm à disposição e de como elas combinam. Intervalo entre as séries: O intervalo entre as séries é importante para que
o corpo tenha a oportunidade de se recuperar de qualquer efeito colateral, restabelecendo a produção natural de testosterona e outras funções para que se possam minimizar os riscos. O tempo de duração de um ciclo de esteróides é muito individual, mas como regra geral, para cada período de utilização de esteróides utiliza-se um período e meio fora da série. Por exemplo, se um atleta utiliza esteróides pelo período de 8 semanas deve fazer seguir um intervalo de 8 a 12 semanas. Série com a utilização de uma só droga Exemplo 1:
Semana no Deca-Durabolin

Exemplo 2:
Semana no Durateston
Este é um tipo de série comum entre aqueles que estão iniciando a utilização de esteróides que é normalmente bastante efetiva para ganhos de volume e força muscular; porém no caso da utilização da Deca-Durabolin, uma dosagem semanal inferior a 150-200 mg parece ser ineficaz para a maioria dos indivíduos do sexo masculino, enquanto mulheres obtêm efeitos satisfatórios com dosagem de 50-100 mg por semana. Já a série de Durateston não é recomendada para mulheres por ter alto efeito virilizante. Observe que a dosagem deve ser reduzida gradualmente nas últimas semanas, para que o organismo se readapte gradualmente. Observe-se também o intervalo de 8 a 12 semanas antes de se reiniciar uma nova série. O acompanhamento com Nolvadex talvez seja necessário por aqueles que utilizam o Durateston, caso haja o desenvolvimento de ginecomastia ou muita retenção hídrica. Série com a utilização de duas ou mais drogas Exemplo 1
Semana no Deca-Durabolin(mg) Durateston(mg)

Exemplo 2
Semana Deca-Durabolin

Exemplo 3
Semana
Neste caso não se administra 2 drogas ao mesmo tempo a não ser na semana de transição, quando se realiza a diminuição última droga administrada. Este tipo de série tem como objetivo principal evitar a estabilização de uma droga e ao mesmo tempo permitir que se fique mais tempo em uma série de esteróides, certificando-se de que efeitos anabólicos serão mantidos. Nos exemplos temos durações variáveis de administração de uma mesma droga, de 4 a 7 semanas antes que se passe a administrar outra droga, sendo que, ao final, sempre se realiza uma diminuição bastante progressiva para evitar maiores riscos de efeitos colaterais. Série com a combinação de duas drogas Exemplo 1
Semana Deca-Durabolin (mg) Durateston (mg)

Exemplo 2
Semana Deca-Durabolin (mg) Anabol (mg)

Exemplo 3
Semana Deca-Durabolin (mg) Hemogenin (mg)
Este tipo de série tem como objetivo administrar duas ou mais drogas ao mesmo tempo, a fim de se beneficiar de diferentes citos receptores ao mesmo tempo, o que não seria possível com a utilização de uma só droga. Considera-se também que, ao combinar drogas, doses menores de cada uma podem ser utilizadas. Por outro lado, acredita-se que a permanência muito prolongada em uma série como esta pode ocasionar o fechamento dos citos receptores. Aliás, a combinação de Deca-Durabolin e Anabol do exemplo 2 ocasiona ganhos bastante significativos e não parece ser muito tóxico ao fígado na dosagem exemplificada, enquanto que a utilização da combinação de Deca-Durabolin e Hemogenin, apesar de ocasionar ótimos ganhos, deve ser evitada a poucas semanas para evitar a alta toxidade do Hemogenin. Exemplo 1
Semana

Exemplo 2
Semana Durateston(mg)
A série piramidal pode ser realizada com um ou mais esteróides, sendo que a pretensão por detrás dessa tática é elevar gradualmente o nível de esteróide, alcançando um máximo de concentração no meio da série. Acredita-se que, assim, a estabilização da droga é evitada através de um bombardeamento progressivo dos citos receptores. O platô é mantido por 2 semanas. A partir daí se reduz a dosagem progressivamente para restabelecer a produção natural de hormônios. Exemplo 1
Semana Deca Deposteron Hemogenin Durateston
Este tipo de série tem como objetivo manter uma base anabólica e alternar outros esteróides. A Deca-Durabolin normalmente é utilizada como base por se acreditar
reter líquido dentro das articulações, propiciando assim mais segurança para realizar
treinamento pesado durante todo o ciclo. Enquanto isso os outros esteróides,
normalmente mais androgênicos, são alternados para evitar estabilização, e nas
últimas semanas a droga base também é diminuída progressivamente.
Exemplo 2
Semana Hemogenin Durateston Winstrol Primobolan Anabol
Equipoise

Esta também é uma proposta interessante de série conjugada. Neste caso, planeja- se a realização de uma série prolongada (19 semanas), porém para evitar o fechamento de citos receptores específicos, bem como a intensificação de efeitos colaterais e tentar manter parte do volume muscular conseguido com os esteróides mais androgênicos, no meio do ciclo realiza-se a combinação de dois esteróides menos androgênicos (Winstrol e Primobolan). Em seguida, retorna-se à utilização de drogas mais androgênicas. O acompanhamento com Nolvadex ou Nolvadex e Proviron provavelmente seja necessário devido ao grau de androgenidade do Hemogenin e do Anabol, bem como devido a extensão da série. Exemplo 1
Semana

Exemplo 2
Semana
Verifique que a preocupação é evitar qualquer esteróide mais androgênico, ou, se utilizado, como é o caso do Anabol do exemplo 1, a dosagem deve ser bem inferior à tolerada por homens e por curto período de tempo. Para mulheres, apesar da dosagem e da baixa androgenidade dos esteróides escolhidos, o acompanhamento com Nolvadex e Proviron também deve ser considerado. Esta é a época em que o culturista mais faz administração de esteróides durante o ano. É lógico que são esteróides específicos (pouco androgênicos), mas a administração é mais freqüente e acompanhada de outros farmacológicos. A intenção é manter o máximo da massa muscular e obter densidade (definição) ao mesmo tempo. A perda ponderal é inevitável, mas o visual denso nesta fase é o que mais importa. Culturistas procurarão fazer uso de todos os meios disponíveis, lançando mão do que estiver ao alcance, de GH ao incrível Esiclene. Não vamos discutir a questão moral deste aspecto, mas relacionaremos aquilo que normalmente se utiliza. - Equipoise (100 mg por semana até o dia D – 14), Primobolan Depot (250 mg a - Parabolan (152 mg a cada 5 dias até o dia D – 10), Winstrol (12 a 15 comprimidos - Winstrol Depot (50 mg a cada 3 dias até o dia D – 3), Halotestin (3 comprimidos por dia nas 3 últimas semanas), Clembuterol (desde as 12 últimas semanas que antecedem a competição) ou; - Combinação de efedrina-cafeína-aspirina (3 a 6 comprimidos diários), Cynomel (50 mg/dia nas 4-6 últimas semanas), GH (8 – 16 UI em dias alternados ou todos os dias), insulina (15 – 40 UI por dia em tomadas divididas alternando insulina lenta e rápida), Esiclene (aplicações locais nos músculos mais fracos no dia D – 3 / alguns atletas aplicam o Esiclene no dia da competição). Como vimos, o culturista irá lançar mão do que estiver ao alcance das mãos e do bolso. Conhecemos pouca gente que poderia fazer um tratamento com 16 UI de GH por dia, por exemplo. Com certeza, aí está a diferença do físico de um culturista intermediário ou de um culturista natural e o físico de um profissional. Ocorre que os profissionais têm acesso e dinheiro para tudo isso e muito mais. Verifique que não só as drogas, mas o treinamento e a alimentação também Se você não tiver acesso a todo esse material não se entristeça, pois poderá ainda assim fazer um ótimo trabalho e conquistar um físico exemplar, mesmo sem drogas. Talvez nunca será um Mister Olympia, mas em compensação estará preservando o futuro de sua saúde. Estas são algumas formas com que os esteróides são ciclados. Muito embora, nestas dosagens, já exista risco pronunciado de efeitos colaterais, sem dúvida existem atletas que utilizam dosagens e combinações muito superiores às citadas. Com certeza, essas pessoas não tem a mínima preocupação com a saúde ou com o seu futuro. Essas pessoas tendem a pensar que, se uma injeção é bom, talvez 2, 3 ou mais seja ainda melhor, e, se combinar 2 esteróides é bom, talvez combinar 3, 4 ou mais é ainda mais efetivo. Ocorre que esteróides em excesso, além de serem mais perigosos, como se dá com a maioria dos medicamentos, ainda não provocam ganhos diametralmente proporcionais, ou seja, se 200 mg de Deca por semana promovem um ganho de 0,5 Kg de massa muscular em alguém, depois de 6 semanas de uso, isto não significa que, se utilizarem 2000 mg de Deca por semana, o ganho será de 5 Kg após 6 semanas. Os atletas que fazem uso de esteróides indiscriminadamente, sem supervisão médica periódica e sem ciclar, estão muito propensos a desenvolver problemas de saúde a médio ou longo prazo. Cuidado ao decidir! Sem dúvida, em uma determinada época, o usuário de esteróides irá parar a administração, muitas vezes só para dar um intervalo entre 2 ciclos a fim de restabelecer as funções normais do organismo e para dar um conveniente descanso após as competições principais ou porque decidiu não utilizar mais essas drogas ou ainda por motivo financeiro porque os esteróides podem ser muito caros. Existem muitos mitos em torno de atletas que param de utilizar esteróides. É muito comum ouvir-se que, quando alguém pára de “tomar” esteróides “encolhe rapidinho” e fica até menor do que era antes. Bem, considerando que os esteróides retêm líquido e que aproximadamente 80% do volume muscular é constituído de água, é óbvio que progressivamente uma parte dessa massa muscular será perdida, bem como boa parte da força e da capacidade dos ligamentos em suportar esforço. Além disso, poderá ocorrer um desequilíbrio na concentração de testosterona e cortizol no organismo. Baixando o nível de testosterona, o de cortizol aumenta, e, como este é um hormônio catabólico, parte da massa muscular conquistada com sacrifício poderá ser “canibalizada” pelo cortizol, o qual também baixa as defesas imunológicas contra doenças, como gripes e resfriados, de forma que é muito comum ver culturistas desavisados com resfriado num intervalo entre séries de esteróides. É importante salientar que esta perda também depende do tipo e da quantidade de esteróides que se vinha utilizando, mas, mesmo que esta perda seja significativa, sempre sobrará um ganho residual. Ou seja, mudanças como o aumento do número de proteínas contráteis, ou mesmo um possível aumento do número de fibras musculares promovidos pela tríade treinamento, nutrição e uso de ergogênicos (esteróides) permanecerão para sempre, de forma que se observa que tão logo a tríade seja reativada apropriadamente, o volume anterior retornará rápida e normalmente em níveis superiores ao anterior. É como quem aprende a tocar piano ou andar de bicicleta e de repente pára de tocar ou pedalar por algum tempo e retome após isso. O processo para reaprender a tocar piano ou andar de bicicleta é rápido. Existem algumas regras a serem seguidas ao retornar à utilização de Parando com o uso de esteróides em época adequada Muitos culturistas resolvem parar com os esteróides logo após com as competições principais, quando resolvem dar uma folga à alimentação e ao treinamento rigoroso. Ocorre que juntando todos esses fatores, o decréscimo na qualidade física será vertiginoso, e se o preparo do atleta em aceitar esta mudança drástica no físico não for bom, poderão ocorrer sérios problemas psicológicos de auto-aceitação, principalmente quando começar a ouvir alguém dizer: “como você diminuiu!”. Desta forma, é mais conveniente parar com o uso de esteróides quando fatores como treino, alimentação e complementos alimentares estiverem sob controle. Diminuição progressiva dos esteróides no final do ciclo Como foi mencionado anteriormente, a diminuição progressiva da administração de esteróides propicia ao organismo oportunidade de também progressivamente retornar à produção natural de testosterona, evitando assim um choque hormonal pela presença de muito pouca testosterona no organismo, o que, em outros termos, pode provocar efeitos colaterais salientados pelo desequilíbrio entre andrógeno/estrógeno e testosterona/cortizol. O primeiro pode ocasionar ginecomastia, formação de gordura sexual feminina, retenção hídrica e elevação da pressão arterial. O segundo pode causar baixa no sistema imunológico e perda de massa magra acentuada. Como regra geral, é diminuído progressivamente o uso de esteróides por um período de 3 a 6 semanas de forma gradual. É lógico que isso dependerá da quantidade de esteróide utilizado e da predisposição de cada um em desenvolver os efeitos colaterais. Quanto mais esteróides forem utilizados e quanto maior for a intensidade de efeitos colaterais, mais lenta é a diminuição. Diminuição de esteróides orais primeiro Os orais como Hemogenin, Anabol e Halotestin são normalmente os mais tóxicos e androgênicos, de modo que estes são diminuídos em primeiro lugar e os outros a seguir. Dessa forma, a falta de tais esteróides pode ser substituída por outros esteróides menos tóxicos e androgênicos que ainda estejam sendo administrados, evitando-se assim, um choque muito grande por falta de esteróides no organismo. Diminuição de esteróides injetáveis de base oleosa por último Por serem eliminados do organismo de forma gradual, os oleosos como Deca- Durabolin, Durateston e Deposteron são os últimos a serem diminuídos. Em outras palavras, são eliminados primeiro os orais mais tóxicos, em seguida os injetáveis suspensão, os orais menos tóxicos (tais como Winstrol e Anavar) e em seguida os injetáveis de base oleosa. O uso de citrato de tamoxifeno durante e após a diminuição Caso os esteróides utilizados na série sejam muito androgênicos e se tenha utilizado o citrato de tamoxifeno (Nolvadex) para evitar os efeitos colaterais, é administrado este medicamento durante todo o período de diminuição para evitar o agravamento dos efeitos colaterais e manter um certo equilíbrio entre testosterona e estrógeno. O uso de HCG (gonadotrofina coriônica humana) Como vimos anteriormente o HCG pode ser administrado em qualquer fase da série e principalmente no final para que possa apressar o processo de restauração da produção natural de testosterona. Para manter o máximo dos ganhos é importante manter o regime de treinamento. Afinal, o exercício é o melhor agente anabólico que existe; porém, sem a presença de esteróides no organismo, é normal que o indivíduo perca parte do potencial de força, e, se quiser continuar a treinar com a mesma intensidade com que vinha treinando quando sob o efeito dos esteróides, poderá colocar em risco a integridade das articulações e demais tecidos moles, porque os esteróides, como vimos, aumentam a força e promovem proteção extra para as articulações por acumulação hídrica nestas. Seguindo essa tática é conveniente que se evitem, pelo período de algumas semanas após ter cessado o uso de esteróides, exercícios que necessitem de grande amplitude articular, tais como agachamento a fundo, paralelas, desenvolvimento atrás do pescoço e crucifixo. Mantenha um ótimo programa de alimentação Para evitar mais perdas continue a se alimentar com sabedoria, ingerindo todos os grupos alimentares. Neste momento, complementos alimentares como creatina monoidrato, sulfato vanádio e o HMB podem ser de grande valia; porém, jamais substitua a alimentação natural por suplementos como Massas e pós protéicos. Estes são apenas complementos, como o próprio nome já diz. No mais, mantenha uma atitude mental positiva e faça o melhor que puder, levando em conta o seu orçamento e o seu senso crítico.

Source: http://www.reisinfor.com.br/ebook514/Dieta%20Exercicios/Guia%20de%20Muscula%C3%A7%C3%A3o%20com%20e%20sem%20anabolizantes/Guia%20sobre%20Ester%C3%B3ides%20Anab%C3%B3licos.pdf

Microsoft word - document

You have been prescribed antiviral therapy for the flu. You will probably be sick for several days with fever and respiratory symptoms. Take Medications as Prescribed: Take all of the antiviral medication as directed. Do not delay taking the medication. It has been shown to reduce the severity of infection, but only if given within the first day or two of symptoms. Continue to cover your

Untitled

FOR GLOBAL BUSINESS AND MARKETING LEADERS NoMarginfor Companies that will be forced to cut back on sales and marketing spending must focus on value, not volume. Here’s how to reduce your spend where it matters the least. BY MASON TENAGLIA AND PATRICK ANGELASTRO Mason Tenaglia is managing director of The Amundsen Group. He can be reached at mtenaglia@amundsengroup.com.

Copyright © 2010-2014 Internet pdf articles