Standort in Deutschland, wo man günstige und qualitativ hochwertige Kamagra Ohne Rezept Lieferung in jedem Teil der Welt zu kaufen.

Wenn das Problem der Verringerung der Potenz berührt mich persönlich war ich schockiert, dass das passiert gerade mit mir cialis Übrigens jeder leisten und gibt eine sofortige Wirkung ohne Hausarbeiten Anwendungen.

Microsoft word - brasilisth.doc

Proc. Interamer. Soc. Trop. Hort. 47:61-64. Vegetables/Hortalizas - October 2003 Qualidade e Conservação Pós-Colheita de Melão Gália Híbrido 'Arava' Submetido a Aplicações Pré-
Colheita de Quelato de Cálcio e Boro

Fábio del Monte Cocozza e Adimilson Bosco Chitarra, Universidade Federal de Lavras, Caixa Postal 37, 37200-000
Lavras, MG, Brasil, chitarra@ufla.br
Everardo Ferreira Praça e Josivan Barbosa Menezes, Escola Superior de Agricultura de Mossoró, Caixa Postal 137,
59675-900, Mossoró, RN, Brasil, cppg@esam.br
Ricardo Elesbão Alves, Embrapa Agroindústria Tropical, Caixa Postal 3761, 60511-110, Fortaleza, CE, Brasil,
elesbao@cnpat.embrapa.br

Resumo. Avaliou-se a qualidade e a conservação pós-colheita de
Abstract. This work evaluated the quality and postharvest
melão Galia híbrido 'Arava' submetido à aplicação pré-colheita de conservation of 'Arava' hybrid Galia melon, when fruit were pre- quelato de cálcio e boro desde a formação até a colheita. Dois harvest treated with calcium chelate and boron from fruitset to grupos de melões receberam duas aplicações de quelato de cálcio harvest. Calcium chelate and boron were applied (5kg/ha) after e boro (5kg/ha), 20 e 27 dias após o plantio, sendo que a partir da 20 and 27 days of sowing to two groups of melons. After antese o controle não foi mais tratado e o segundo grupo recebeu, anthesis, the control group was no longer treated, while the através de pulverização foliar realizada diretamente nos frutos, second group received 4 more applications after 34, 41, 48 and 55 mais quatro aplicações aos 34, 41, 48 e 55 dias. Os melões foram days. Melons were harvested at commercial maturity stage and colhidos após atingirem a maturidade comercial e armazenados cold stored (7±1°C e 85±5% UR). At the beginning and at the sob refrigeração (7±1°C e 85±5% UR). Os frutos foram avaliados end of storage (0 and 29 days) fruit were analyzed. Results no início e no final do armazenamento (0 e 29 dias). Os showed that boron and calcium treatment decreased total sugar resultados indicaram que o produto reduziu o teor açúcares totais content at harvest, facilitating calcium binding to cell wall and por ocasião da colheita, favoreceu a ligação do cálcio à parede e increased highly and lowly methoxylated pectin, although it did aumentou as pectinas de alta e baixa metoxilação, mas mostrou not reduce firmness loss and to enhance fruit resistance through ser ineficiente na redução da firmeza após o armazenamento e consequentemente no aumento da resistência dos frutos durante oarmazenamento.
O cálcio tem sido aplicado antes e após a colheita para prevenir desordens fisiológicas, retardar o amadurecimento de váriosfrutos (Poovaiah, 1986) para manter a integridade da parede celular. O tratamento pré-colheita é mais uma técnica do aumentoda vida útil de frutos além dos vários tratamentos pós-colheita adotados com a mesma finalidade. Sem dúvida a maiordesvantagem no seu uso são as pulverizações que trazem um custo adicional ao produtor, para atingir aumentos significantesde cálcio nos frutos. A aplicação via foliar do quelato de cálcio e boro visa redistribuir o cálcio com maior uniformidade erapidez. O quelante atua liberando o cálcio de seus sítios de ligação aumentando sua mobilização e facilitando sua translocaçãopara os frutos. Além disso, o quelato pode se ligar aos sítios que seriam ocupados pelo cálcio evitando a sua imobilização(Ben-Arie et al. 1995) através da ligação às enzimas que possam transportá-lo (Glenn e Poovaiah, 1990). Outras culturas comotomate, berinjela, pepino e especialmente maçã, cujo período de maior necessidade de cálcio está concentrado na frutificação,recebem rotineiramente pulverizações foliares de cálcio na forma de sais e quelatos (Vicente, 1990).
Desde o momento que o melão nobre é colhido e exportado, o processo de amolecimento é acelerado constituindo aprincipal causa das perdas e queixa dos importadores. Outras causas das perdas desses melões são o apodrecimento,descoloração da superfície, injúria pelo frio relatadas por Rij e Ross (1988). Assim a aplicação de quelato de cálcio e boro napré-colheita visa aumentar a absorção de cálcio e boro nas paredes celulares refletindo na sua qualidade pós-colheita.
Assim, objetivou-se avaliar a qualidade de melão Gália, hibrido 'Arava', submetido ao tratamento de quelato de cálcio e borona pré-colheita através das análises físicas, químicas, físico-químicas e subjetivas ocorridas entre a colheita e o fim doarmazenamento refrigerado.
Material e Métodos
O experimento foi instalado em plantio comercial da empresa Mossoró Agroindustrial S/A (MAISA) localizada emMossoró, RN, Brasil. O melão utilizado foi o Gália, híbrido 'Arava'. A fertirrigação, realizada diariamente pela manhã, foiiniciada no 8° dia após plantio estendendo-se até o 59° dia e feita de acordo com o manejo da empresa. A área ocupada porcada tratamento foi de aproximadamente 320 m2. Cada parcela compreendia uma área útil de 4 m2, contendo 02 plantas/covaperfazendo 8 covas, com espaçamento entre plantas de 2,0 m x 0,25 m. A população de plantas foi de 16000/ha. Em duas áreasdistintas foram feitas duas aplicações de quelato de cálcio e boro por via foliar aos 20 e 27 dias após o plantio. Após aformação do fruto, iniciou-se os tratamentos adicionais com o produto em uma das áreas, sendo que a outra permaneceu comocontrole. Neste caso, foram realizadas mais quatro aplicações por via foliar diretamente nos frutos aos 34, 41, 48 e 55 dias apósa antese. As aplicações do produto foram distribuídas de forma que a cultura recebesse a dosagem de 5 Kg de cálcio/ha porciclo, a qual era utilizada comercialmente pela maioria dos produtores da região. O produto continha (8% de cálcio + 2% deboro) e foi aplicado juntamente com outros micro e macronutrientes por meio de um pulverizador costal.
Os frutos foram colhidos aos 59 dias após plantio (24 dias após a antese) quando apresentavam coloração maturo-verde compedúnculo totalmente preso. Foram selecionados 40 frutos no campo sendo metade deles avaliados no dia da colheita e outra metade foi avaliada 29 dias após o armazenamento em câmara fria a 7 ± 1°C e 85 ± 5% UR, seguindo as condições ideais dearmazenamento refrigerado para o melão Gália produzido naquela região (Menezes, 1996).
As características avaliadas foram as seguintes: Matéria Seca - foi feita na casca e na polpa dos frutos de cada parcelaexperimental, retirando-se amostras e levadas para estufa com circulação forçada de ar a 70°C até peso constante; Perda demassa - calculada considerando-se a diferença entre o início e o final do armazenamento; Aparência Externa, Interna e Danospelo frio – de acordo com uma escala de notas de 0 a 4 sugeridas por Menezes (1996) mediante apresentação de defeitos comomudanças na coloração, deteriorações, amaciamento e incidência de manchas causadas frio; Sólidos Solúveis Totais - foramdeterminados no suco, com auxílio de um refratômetro digital; Firmeza - foram feitas em cada fruto cortado longitudinalmenteem quatro fatias eqüidistantes com o auxílio de um penetrômetro (Mc Cormick modelo FT 327 com 0,6 mm de diâmetro);Açúcares Solúveis Totais - foram determinados pelo método da antrona (Dische, 1962); Sólidos Insolúveis em Álcool - foramextraídos do mesocarpo como descrito por Roe e Bruemmer (1981); Pectinas – obtidas após submeter o SIA a uma extraçãoseqüencial em diferentes solventes de acordo como método de Mangas et al. (1992) e doseamento feito segundo métodoproposto por Blumenkrantz e Asboe-Hansen (1973); Cálcio ligado a Parede Celular – após digestão em solução nitro-perclórica (Malavolta et al., 1989) analisado diretamente nos SIA segundo Jones e Isaac (1969).
O experimento foi conduzido em delineamento inteiramente casualizado (DIC) em esquema fatorial (2 X 2), com cincorepetições de quatro frutos cada. Os fatores estudados foram: cálcio (Controle e quelato de cálcio e boro) e armazenamento (0 e29 dias). As análises estatísticas foram realizadas através do programa estatístico Estat e utilizou-se o Teste F (P≤0,05) paracomparação de médias dos tratamentos estudados.
Resultados e Discussão
O tempo de armazenamento influenciou a maioria das características avaliadas (Tabela 1), enquanto que os tratamentos tiveramefeito significativo apenas para cálcio ligado a parede celular, pectinas de alta e de baixa metoxilação (Tabela 2). Com exceçãodos açúcares solúveis totais não houve interação significativa entre os tratamentos e o tempo de armazenamento para as demaiscaracterísticas (Tabela 3). Não foi observado nenhum efeito sobre a aparência interna dos frutos.
Todos os frutos apresentaram perda de massa média da ordem de 4,94% aos 29 dias de armazenamento além de levemurchamento. De acordo com Wills et al. (1982) perdas em torno de 5% conduzem, além do murchamento, a deformações nosfrutos. A perda de massa representa uma combinação de perda de água e de matéria seca como sugere (Lester e Bruton, 1986).
O armazenamento influenciou significativamente a redução da matéria seca na casca e polpa. Houve redução de 14,98% noteor de matéria seca da polpa e de 13,91% no teor de matéria seca da casca durante o armazenamento. Esses valores foram bemsuperiores àqueles encontrados por Lester e Bruton (1986) em melões reticulados que foi de 10,2%. Essas reduçõesprovavelmente se devem ao consumo de substratos para a respiração dos frutos em refrigeração como aponta Menezes (1996).
A perda de massa observada provavelmente favoreceu a concentração no teor de sólidos solúveis ao final do experimentoque foi cerca de 15% superior ao da colheita. Estes valores entretanto, apesar de similares aos obtidos por Welles e Buitellar(1988), estão abaixo aos exigidos pelo mercado (Alves, 2000). Assim como Oliveira (1992), trabalhando com esse mesmohíbrido, os melões foram colhidos com aproximadamente 2 meses após o plantio, porém apresentavam pelo menos 3 ºBrix amenos. Um dos fatores que podem ter contribuído para o baixo teor de sólidos solúveis neste trabalho foi a metodologiautilizada, homogeneização da polpa, já que a nível comercial esta avaliação é feita retirando-se uma fatia do fruto no sentidolongitudinal e forçando manualmente a liberação de algumas gotas do suco da região mais interna da polpa sobre o prisma dorefratômetro, que em geral pode fornecer valores de sólidos solúveis superiores em 2 a 3 %. Houve interação significativa entreos fatores armazenamento e tratamentos para açúcares totais (Tabela 3). O quelato de cálcio e boro teve um efeito redutor, emcerca de 21,23% no teor de açúcares totais em relação à testemunha por ocasião da colheita. Mas com o fim doarmazenamento, o conteúdo desses açúcares estatisticamente não diferiu entre os tratamentos. O armazenamento e a perda deágua provavelmente influenciaram significativamente no aumento dos açúcares totais dos frutos. A média geral para aparênciainterna correspondeu a 0,20, indicando que a mesma não sofreu alterações. Em relação a aparência externa e aos danos pelefrio as notas ao final do armazenamento (29 dias) corresponderam respectivamente a 2,46 e 2,11. Levando-se em consideraçãoque frutos com nota igual ou superior a 3,0 não estariam em condições de comercialização (Menezes, 1996), os melões dopresente trabalho poderiam ainda poderiam ser comercializados apesar de apresentarem pequenas manchas entre as nervurasassemelhando-se a danoss pelo frio. Seymour e McGlasson (1993) confirmam ser comum o aparecimento dessas manchas emmelões reticulados.
Durante o armazenamento a firmeza dos frutos foi reduzida em 35%. Essa diminuição foi acompanhada por um decréscimono teor de sólidos insolúveis em álcool ou material de parede celular e com conteúdo de cálcio ligado a parede. Em geral, atextura diminui devido a conversão da protopectina em pectinas de alta e baixa metoxilação em função de enzimas pécticas.
Ranwala et al. (1992) forneceram fortes evidências do envolvimento de isoformas de β-galactosidases na modificação decomponentes de parede durante o amadurecimento de melão.
Durante o armazenamento ocorreu um aumento da pectina de alta metoxilação e uma redução da protopectina. Por outrolado, ficou evidenciado o efeito dos tratamentos sobre as pectinas de alta e baixa metoxilação e sobre o toer de cálcio ligado aparede celular. Nos melões estudados observaram-se aumento de 23,56% da pectina de alta metoxilação e 33,39% dedecréscimo da protopectina durante o armazenamento. Em cerejas Glenn e Poovaiah (1989) documentaram o mesmo efeito ao usar um quelante associado a um composto com cálcio e verificaram maior solubilidade de pectinas. Eles advertiram que o usode fertilizantes a base de quelantes devem ser empregados com cautela.
Tabela 1. Algumas características de melão Gália, híbrido ‘Arava’, aos 0 e 29 dias sob armazenamento refrigerado (7±1°C e
85±5% UR).
Características
Tempo de Armazenamento (dias)
0*
Cálcio Ligado a Parede Celular (umol.g-1 material de Parede Celular) Pectina de Alta Metoxilação (mg ácidos urônicos.100g-1 massa fresca) Protopectina (mg ácidos urônicos/100g-1 massa fresca) *Médias seguidas pela mesma letra maiúscula na horizontal não diferem significativamente entre si, pelo Teste F. Tabela 2. Açúcares solúveis totais de melão Gália, híbrido ‘Arava’, submetido à aplicação de quelato de cálcio e boro na pré-
colheita e armazenado durante 29 dias em temperatura de 7 ± 1°C e umidade relativa de 85 ± 5%.
Aqucanes soluveis totais
*Médias seguidas pela mesma letra maiúscula na horizontal não diferem significativamente entre si, pelo Teste F. Tabela 3. Algumas características de melão Gália, híbrido ‘Arava’, submetido a aplicação pré-colheita com quelato de cálcio e
boro.
Características
Tratamentos
Cálcio Ligado a Parede Celular (umol.g-1 material de Parede Celular) Pectina de Alta Metoxilação (mg ácidos urônicos.100g-1 massa fresca) Pectina de Baixa Metoxilação (mg ácidos urônicos.100g-1 massa fresca) *Médias seguidas pela mesma letra maiúscula na horizontal não diferem significativamente entre si, pelo Teste F. Conclusões
A aplicação adicional com quatro pulverizações pré-colheita de quelato de cálcio e boro após a antese favoreceu uma maiorligação de cálcio nas paredes celulares, resultando em valores 41,27% superior ao controle, sem no entanto, ter influenciado deforma positiva a firmeza e a conservação pós-colheita dos frutos.
Literatura Citada
Alves, R. E. 2000. Melão pós-colheita. Embrapa Comunicação para Transferência de Tecnologia, Fortaleza.
Ben-Arie, R., L. Mignami, C. L. Greve, M. Huysamer e J. Labavitch. 1995. Regulation of the ripening of tomato pericarp discs by GA3 and divalent cations. Physiologia Plantarum 93(1):99-107.
Blumenkrantz, N. e G. Asboe-Hansen. 1973. New method for quantitative determination of uronic acids. Analytical Biochemistry54(11):484-489.
Dische, Z. 1962. Color reactions of carbohydrates. p.477-512. In: Whistler, R. L. e M. L. Wolfram. Methods in Carbohydrate Chemistry.
CRC Press, New York.
Glenn, G. M. e B. W. Poovaiah. 1989. Cuticular properties and postharvest calcium applications influence craking of sweet cherries. Journalof the American Society for Horticultural Science 114(5):781-788, Jones, J. B. JR. e R. A. Isaac. 1969. Comparative elemental analyses of plant tissue by spark emission and atomic absorption spectroscopy.
Journal Agronomy 61:381-387.
Lester, G. E. e B. D. Bruton. 1986. Relationship of netted muskmelon fruit water loss to postharvest storage life. Journal of the AmericanSociety for Horticultural Science 111(5):727-731.
Malavolta, E., G. C. F. Vitti e P. Oliveira. 1980. Síntese da análise química em tecido vegetal. ESALQ/USP, Piracicaba.
Mangas, J. J., E. Dapena, M. S. Rodriguez, J. Moreno, M. D. Gutiérrez e D. Bianco. 1992. Changes in pectic fractions during ripening ofcider apples. HortScience 27(4):328-330.
Menezes, J. B. 1996. Qualidade pós-colheita de melão tipo Galia durante a maturação e o armazenamento. Tese de Doutorado, UFLA,Lavras.
Oliveira, S. B. 1992. Armazenamento refrigerado do melão (Cucumis melo L.) tipo Galia. Monografia de Graduação, ESAM, Mossoró.
Poovaiah, B. W. 1986. Role of calcium in prolonging storage life of fruits and vegetables. Food Technology 40(1):86-89.
Ranwala, A. P., C. Suematsu e H. Masuda. 1992. The role of β-galactosidases in the modification of cell wall components duringmuskmelons ripening. Plant Physiology 100(5):1318-1325.
Rij, R. E. e S. R. Ross. 1988. Effects of shrink film wrap on internal gas concentrations, chilling injury, and ripening of honeydew melons.
Journal of Food Quality 11(7):175-182.
Roe, B. e J. H. Bruemmer. 1981. Changes in pectic substances and enzymes during ripening and storage of ‘Keitt’ mangos. Journal of FoodScience 46(8):186-189.
Seymour, G. B. e W. B. McGlasson. 1993. Melons. p.273-290. In: Seymour, G. B., J. E. Taylor e G. A. Tucker. Biochemistry of fruitripening. Chapman & Hall, Londres.
Vicente, C. A. 1990. A aplicação de cálcio quelatizado por via foliar na cultura de citros. Tese de Doutorado, UNESP, Jaboticabal.
Welles, G. W. H. e K. Buitelaar. 1988. Factors affecting soluble solids content of muskmelon. Netherlands Journal of Agricultural Science36(2):239-246.
Wills, R. B. H., T. H. Lee, D. Graham, W. B. McGlasson e E. G. Hall. 1982. Postharvest: An introduction to the physiology and handling offruits and vegetables. AVI Publishing, Westport.
Agradecimentos Ao CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) pela concessão da bolsas de estudos; À
Mossoró Agroindústria Ltda (MAISA) pela concessão de frutos e instalações; À empresa Agrofresh e a FINEP (Financiadora de Estudos e
Projetos) pelo apoio financeiro para participação na 49ª Reunião da ISTH.

Source: http://www.ceinfo.cnpat.embrapa.br/arquivos/artigo_1491.pdf

May 15 pointofcare.pdf

Figure 1. Warfarin Dose Reminder Chart Your doctor has highlighted a row below showing the total amount of warfarin (Coumadin) you should take each week. Look at the highlighted row and find the number under today’s day of the week. Take that number of 5-mg warfarin tablets at approximately 5 p.m. Number of 5-mg tablets to take on each day of the week NOTE TO THE PHYSICIAN: The initial

Point presse

Médicaments génériques et mention « non substituable » : résultats d’une étude de l’Assurance Maladie Face aux interrogations croissantes sur l’utilisation par les médecins de la mention « non substituable » (NS) pour leurs prescriptions de médicaments, l’Assurance Maladie a souhaité évaluer de manière précise la réalité des pratiques actuelles dans ce domain

Copyright © 2010-2014 Internet pdf articles