Standort in Deutschland, wo man günstige und qualitativ hochwertige Kamagra Ohne Rezept Lieferung in jedem Teil der Welt zu kaufen.

Kaufen priligy im Online-Shop. Wirkung ist gut, kommt sehr schnell, innerhalb von 5-7 Minuten. cialis was nur nicht versucht, verbrachte eine Menge Geld und Nerven, und geholfen hat mir nur dieses Tool.

Jvascbr.com.br

E-PostEr
PE-001 trAtAMENto CIrÚrGICo DE AAA CoM PrEsErVAÇÃo DE
bandagem de baixa elasticidade e orientações quanto aos exercícios linfomioci- ENXErto rENAL
néticos, todo o protocolo foi realizado no membro acometido e no contra-lateral. RODRIGO AGUIAR GUEDES; THIAGO CHARAMBA DUTRA; JOSE NESTOR RESULTADOS: No grupo 1 houve diferença cirtométrica significativa (p<0,05) AGUIAR NETO; ANA ISABEL CAVALCANTI; FREDERICK AFONSO BARBOSA; no tornozelo após a realização da TFC. No grupo 2 houve diferença significati- va (p<0,05) na cirtometria 14 cm abaixo da patela e no tornozelo. Todavia, não houve diferença significativa estatística entre a redução cirtométrica do grupo 1 com o grupo 2. CONCLUSÕES: Observou-se a TFC reduziu a cirtometria nos grupos 1 e 2.Todavia, faz-se necessário outros estudos com uma amostra maior para requestionar as diferenças da terapia entre os dois tipos de linfedema.
JUSTIFICATIVAS E OBJETIVOS: Os pacientes submetidos a transplante renal apresentam lesões ateroscleróticas difusas que podem ser potencializadas pela PE-003 PoNtE AortoMEsENtÉrICA E EMBoLECtoMIA CoM FoGArtY
hemodiálise prolongada, hipertensão arterial e outros fatores de risco. A doen- EM PACIENtE oCtAGENÁrIo
ça vascular mais comum nestes pacientes é o aneurisma de aorta abdominal1; ISABELLE C. M. LIMA; JOÃO BATISTA VIEIRA CARVALHO; BEATRIZ BARBOSA que são os aneurismas mais frequentemente encontrados na prática clínica1. DE LIMA; PLÍNIO AUGUSTO MOREIRA FONSECA; PEDRO HENRIQUE RIBEIRO MÉTODO: O paciente FPV, 37 anos, apresentou glomeruloesclerose segmen- ALVES; SARAH PARANHOS CAMPOS; FLÁVIA FERREIRA MARTINS tar focal (GESF) aos 5 anos e em 1993 ingressou na terapia renal substitutiva. Foi submetido, em 1995, ao transplante renal doador vivo relacionado (irmão). Evoluiu com hipertensão arterial sistêmica, controlada com 3 classes de drogas. Em abril de 2009, através USG Doppler foi evidenciada dilatação fusiforme de aorta abdominal de 4,0 x 3,7cm (Antero-posterior (A-P) x Latero-lateral (L-L)). Em fevereiro de 2010, através de um Doppler de controle foi evidenciado um JUSTIFICATIVAS E OBJETIVOS: A forma aguda da isquemia mesentérica é aumento do aneurisma para 6 x 5,6cm (A-P X L-L). O internamento hospitalar rara apresentando mortalidade de até 70%. A embolia, predominantemente, tem foi em maio de 2010 e o mesmo apresentava níveis séricos de uréia e creatinina origem nas cavidades cardíacas a partir de fragmentos de um trombo mural as- de 29mg/dl e 0,9mg/dl respectivamente. RESULTADOS: Em junho de 2010 foi sociado a infarto do miocárdio e fibrilação atrial, raramente tem origem de um realizado o tratamento cirúrgico de correção do AAA. O primeiro tempo da ci- aneurisma proximal trombosado ou da liberação de placa de ateroma. É comum rurgia foi a confecção da ponte axilo-femoral D para perfundir o enxerto renal nos cardiopatas com antecedentes de eventos embólicos ou com embolia peri- ipsilateral por refluxo, visto que, o implante arterial do transplante foi na artéria férica concomitante. O objetivo deste trabalho é apresentar um caso de embolia ilíaca externa D. Devido a tal fato o tempo de isquemia renal foi zero. Através mesentérica aguda em paciente idoso tratado em tempo hábil com revasculari- de incisão longitudinal mediana foi realizada endoaneurismorrafia de aorta ab- zação intestinal. MÉTODO: Relatamos um caso de isquemia mesentérica aguda dominal com prótese de Dacron 18/9mm e anastomose término-terminal para em paciente, 84 anos, sexo masculino internado no Hospital Universitário Alzira ambas artérias ilíacas. O pós-operatório evoluiu sem intercorrências com con- Vel ano com quadro de dor epigástrica, tipo queimação, de forte intensidade, sem trole farmacológico da pressão arterial e dosagem de creatinina sérica e uréia irradiações associado a náuseas e sudorese profusa. Histórico de abdome agudo mantendo-se em 1,0 e 39 mg/dl. CONCLUSÕES: O aumento da incidência de inflamatório, fibrilação atrial, hipertensão arterial sistêmica e DPOC em uso de doenças vasculares nesse grupo de pacientes submetidos ao transplante renal é digoxina, enalapril, ácido acetilsalicílico e lasix. As hipóteses diagnósticas iniciais decorrente do aumento da sobrevida dos mesmos. Existem muitos métodos para foram síndrome dispéptica e síndrome coronariana. Exames revelaram leucoci- manter a perfusão renal e evitar a isquemia do rim transplantado durante os pro- tose com desvio a esquerda e acidose. Com quadro de abdome agudo vascular, o cedimentos de reconstrução arterial, seja por doença aneurismática ou oclusiva, paciente foi submetido a uma laparotomia exploradora que identificou embolia demonstramos uma alternativa pratica, e viável, para ser utilizada em pacientes mesentérica. Na cirurgia de emergência foi realizada a revascularização intesti- nal com embolectomia com cateter de fogarty e com ponte aorto-mesentérica com ponte de PTFE aorto-mesentérica. RESULTADOS: Paciente teve um bom transoperatório e encaminhado a UTI. Devido a fibrilação atrial apresentou duas PE-002 EstUDo CoMPArAtIVo DA tErAPIA FÍsICA CoMPLEXA EM
paradas cardiorespiratórias sendo realizada massagem cardíaca. A segunda mas- PortADorEs DE LINFEDEMA PrIMÁrIo E sECUNDÁrIo EM MEMBros
sagem foi cessada devido à falta de resposta do paciente e considerando sua idade INFErIorEs
e suas co-morbidades. CONCLUSÕES: O infarto intestinal está associado à alta VANESSA LÔBO CARVALHO; ANA CLÁUDIA AUSTRILINO CEDRIM; HIANNA morbidade, o que se deve em especial ao fato do leito vascular mesentérico ser PAULLA JESUS SANTOS; GUILHERME BEJAMIM PITTA; MILTON VIEIRA COSTA relativamente pobre em colaterais (quadro agudo) e ao fato de que o diagnóstico nem sempre é realizado facilmente, já que o exame com maior acurácia, a angio- grafia, é muitas vezes impossibilitada devido ao o tempo e disponibilidade que demanda para sua realização. O diagnóstico precoce e a revascularização imedia- ta são fatores limitadores da ressecção intestinal. O uso criterioso da exploração e de antibióticos é importante contemporâneo da embolia mesentérica.
JUSTIFICATIVAS E OBJETIVOS: O Linfedema refere-se ao edema decorrente do acúmulo anormal de líquidos e substâncias nos tecidos, resultante da falha no sistema linfático de drenagem associado à insuficiência de proteólise extra PE-004 rELAÇÃo DA INsUFICIÊNCIA VENosA CrÔNICA CoM A
linfática das proteínas do interstício celular e da mobilização de macromoléculas MoBILIDADE tÍBIo-tALAr EM IDosAs.
(Godoy,2005). O linfedema é classificado em dois grupos: Primário ou Congê- ANA CLÁUDIA AUSTRILINO CEDRIM; VANESSA LÔBO CARVALHO; HIANNA nito e Secundário (Allen 1934 apud Godoy, 2005). Os linfedemas Primários são PAULA JESUS SANTOS; GUILHERME BEJAMIM PITTA; MILTON VIEIRA COSTA pouco frequentes em comparação com os Secundários em dados coletados por Rochester Groupe Study, os linfedemas Secundários afetam 1,5/100.000 indiví- duos (Farrajota & Albino, 2006). A cirtometria por ser um método de avaliação pouco onerosa e não invasiva é considerada uma ótima opção para acompanhar o desenvolvimento do linfedema. Földi e Leduc realizaram uma revolução no tratamento dos linfedemas e os métodos fisioterapêuticos, foram largamente JUSTIFICATIVAS E OBJETIVOS: Segundo Scott & Nelzen 1994 e 1991 apud difundidos e padronizados um tratamento chamado Terapia Física Complexa Azoubel 2010 os dados estatísticos apontam que úlceras venosas predominam (TFC). OBJETIVO: Comparar a diferença da cirtometria antes e após a reali- no gênero feminino, todavia, até os 40 anos de idade elas se distribuem igual- zação da TFC e comparar os portadores de linfedema primário e secundário de mente entre os gêneros. É provável que essa diferença se deva, em parte, pela membros inferiores. MÉTODO: Trata-se de um estudo analítico experimental longevidade feminina. Ainda complementam que em estudos internacionais a do tipo qualitativo. Formado por uma amostra aleatória dividida em dois gru- úlcera venosa tem aumentado com o crescimento da população idosa. A insufi- pos: grupo1 membros acometidos por linfedema primário (N=10) e grupo 2 ciência venosa crônica (IVC) é definida como uma anormalidade do funciona- membros acometidos por linfedema secundário (N=10). As variáveis estuda- mento do sistema venoso causada por uma incompetência valvular, associada das foram: etiologia e cirtometria. O protocolo realizado foi a TFC, que é um ou não à obstrução do fluxo venoso. Pode afetar o sistema venoso superficial, o tratamento conservador que permite tratar todos os estágios e tipos de edema sistema venoso profundo ou ambos. Além disso, a disfunção venosa pode ser re- linfático com ampla margem de bons resultados (Guedes, 2005). Foram reali- sultado de um distúrbio congênito ou pode ser adquirida (POTER & MONETA zadas 44 sessões de: compressão pneumática intermitente durante 30 minutos, apud FRANÇA & TAVARES). A goniometria por ser um método de avaliação drenagem linfática manual durante 30 minutos, enfaixamento multiextrato com pouco oneroso e não invasivo é considerado uma ótima opção para acompa- nhar a amplitude do movimento. OBJETIVO: Relacionar a insuficiência venosa crônica em idosas com a mobilidade tíbio-talar. MÉTODO: Estudo descritivo e a tríade clássica: angiomas planos, varizes e hipertrofia de membro. Pouco fre- quantitativo no qual foram avaliadas 60 membros de 42 idosas em instituições quente e de etiologia desconhecida, ao longo dos anos, pode causar invalidez de longa permanência para idosos (ILPIs). Os critérios de inclusão foram: ser devido ao crescimento ósseo e das partes moles, além de fístulas arteriovenosas institucionalizada, do gênero feminino, ter boa cognição e ausência de doenças que sobrecarregam o sistema venoso. OBJETIVO: Relatar caso de um paciente neurológicas. O estudo foi composto da avaliação clínica do Clinical signs; Etio- com Síndrome de Klippel Trenaunay Weber com Síndrome da Cauda Equina logy; Anatomic distribution; Pathophysiologya (CEAP) e da goniometria tíbio- por malformação arteriovenosa. MÉTODO: Estudo de caso de um paciente de talar. Os membros com IVC foram divididos em 6 grupos do C1 ao C6 tendo 10 29 anos de idade, nascido no Rio de Janeiro, casado, acompanhado há 13 anos no membros para cada grupo e depois relacionados com a goniometria. O goniôme- ambulatório de Angiodisplasias da disciplina de Angiologia do Hospital Univer- tro utilizado para aferição foi da marca Trident. As variáveis estudadas foram: a sitário Pedro Ernesto da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Em maio de classificação clínica do CEAP, a flexão plantar e a dorsiflexão. RESULTADOS: O 2010, apresentou disfunções agudas: vesical anal e erétil, associadas à lombalgia estudo utilizou nível de significância os testes foram de 5%. Na flexão plantar e na bilateral, paraparestesias nas extremidades inferiores, alteração da marcha e per- dorsiflexão os grupos C1, C2 e o C3 diferiram estatisticamente (p<0,05) do C5 e da ponderal de 10 kg em seis meses. Foi então, submetido à investigação clínica C6; o C4 e C5 não diferiram entre si, mas diferiram estatisticamente de C6; todos e por exames de imagem de coluna torácica e lombossacra, além de ecografia de diferiram do C6 estatisticamente. C1 e C2 diferiram de C5 e C6. Já no C3 houve abdômen total. Encontrada compressão pela presença de ectasia venosa, devido diferença entre a dorsiflexão e a flexão plantar onde na primeira o C3 só diferiu a múltiplas fístulas arteriovenosas, desde a coluna torácica até o cone medular. do C6 e na segunda o C3 se diferenciou de C5 e C6. CONCLUSÕES: A relação Evoluiu, desde então, com Síndrome da Cauda Equina de forma irreversível de- entre o comprometimento venoso e a dorsiflexão e flexão plantar foi mais impor- vido a gravidade do quadro. RESULTADOS: Este caso raro mostra a Síndrome tante na úlcera ativa e na úlcera cicatrizada, todavia, observamos uma perda mais da Cauda Equina promovida por malformação arteriovenosa num sítio pouco significativa na flexão plantar quando há presença de edema.
comum. O propósito deste relato, marcado pela exuberância do perfil clínico e dos exames de imagem complementares, é ressaltar a necessidade de estudo com- plementar por imagens e de intervenção precoce em SKTW. CONCLUSÕES: Os PE-005 sÍNDroME DE ProtEUs: HAMArtosE DEsDE o NAsCIMENto
autores ressaltam a importância em definir o conceito de SKTW e, dessa forma; ANA PAULA MARTINS NAZARIO; MARCIA RIBEIRO ALVES; CARLA ELLIS; reconhecer o melhor momento para os portadores e com o objetivo de amenizar FABIOLA DA CUNHA MORAIS; MARILIA BRANDÃO PANICO; GLAUCIA a progressão e identificar as complicações ou sítios potencialmente graves para Hospital UniversitÁrio Pedro Ernesto – UERJ PE-007 AMPUtAÇÕEs MENorEs PrECEDEM AMPUtAÇÕEs MAIorEs
JUSTIFICATIVAS E OBJETIVOS: A Síndrome de Proteus (SP), reconhecida em 1979 por Cohen e Hayden, e nomeada em 1983 por Wiedemann, é uma ha- martose congênita, rara, que se caracteriza pelo crescimento anormal dos três folhetos embrionários. A etiologia é desconhecida, mas se instigam distúrbios na produção dos fatores de crescimento insulina like e das proteínas de ligação JUSTIFICATIVAS E OBJETIVOS: As amputações de membros são tão antigas plasmática nos tecidos acometidos. As manifestações clínicas são progressivas e quanto a própria humanidade, há evidências como pinturas em cavernas da Es- exuberantes nos primeiros anos de vida. Insuficiência Respiratória e Trombo- panha e França com aproximadamente 36 mil anos, que mostram mutilações embolismo Pulmonar são complicações severas e causas de morte prematura. O de membros. Podemos definir amputação como sendo a retirada, normalmen- diagnóstico é realizado pelo somatório de pontos de critérios maiores obrigató- te cirúrgica, total ou parcial de um membro. Socialmente o termo “amputação” rios (curso progressivo, ocorrência esporádica e lesões em mosaico) e critérios está relacionado com incapacidade e dependência. No entanto a amputação, de menores (categoria A, B ou C).OBJETIVO: Relatar a Síndrome de Proteus em uma forma geral, provocada por problemas metabólicos, vasculares, traumatis- menina de 9 anos. MÉTODO: Estudo de caso de uma paciente de 9 anos de mo, tumores e deformidades congênitas deve ser encarada como: Uma forma de idade, nascida no Rio de Janeiro, estudante do 4º ano do ensino fundamental, tratamento e muitas vezes o único meio de fornecer uma melhoria na qualidade acompanhada há 3 anos no ambulatório de Angiodisplasias da disciplina de An- de vida. Hoje em dia acima de 6O% das amputações não traumáticas dos mem- giologia do Hospital Universitário Pedro Ernesto da Universidade do Estado do bros inferiores, ocorrem em pacientes diabéticos, algumas vezes precedido de Rio de Janeiro. Nascida aos 9 meses de uma gestação sem intercorrências, por amputações menores resultantes de infecções profundas. O objetivo deste tra- meio de parto cesáreo (conversão do parto vaginal por distócia), apresenta desde balho é determinar em que porcentagem dos pacientes as amputações menores o nascimento hipertrofia de membro superior esquerdo, hemangioma plano em são seguidas de procedimentos maiores, não sendo suficientes para controlar o hemi-tórax direito e em pelve à esquerda, crescimento de 1º, 2º e 3º pododáctilos processo infeccioso do membro acometido. MÉTODO: Local: HMSA serviço de do pé direito e 2º, 3º e 4º do pé esquerdo. Após 1 ano de idade, houve surgimen- cirurgia vascular; tempo: 1O anos. Foi feito uma análise das amputações maio- to de leões verrucosas em axila direita e lipoma em dorso lombar. Apresenta res não traumáticas dos membros inferiores no HMSA de 1/junho/2OO1 ate 1/ adequado desenvolvimento psicomotor. Nega dores localizadas. Sem alterações junho/2O11 e identificamos quais pacientes tinham sido submetidos a amputa- adicionais. RESULTADOS: Os autores ressaltam a raridade do caso e a variedade ções menores (pododáctilos, Transmetatarsianas, desarticulações mediotarsicas, de fenótipos, que estão somadas à não existência de condutas clínico-cirúrgicas etc.). RESULTADOS: Total de cirurgias: 973 amputações; 739 amputações (76%); mais fundamentadas. Geralmente, a SP não se manifesta ao nascimento, mas se 220 amputações (22,6%) precedidas por procedimentos menores; 14 pacientes desenvolve rapidamente na infância. A diferença deste caso é que, inusitadamen- (1,4%) sem reporte. CONCLUSÕES: Avaliando a experiência dos últimos 10 te, já estava presente ao nascimento. CONCLUSÕES: O screening para tumores anos, no serviço de cirurgia vascular HMSA podemos concluir que: amputações malignos é fundamental, além do Guidelines para monitoramento. O entendi- menores junto com um manejo clinico adequado, são efetivas no tratamento das mento da síndrome e cuidado multidisciplinar, principalmente psicológico, são lesões causadas pelas angiopatias de qualquer tipo; as taxas de reoperação são fundamentais. Todos os esforços devem ser feitos para minimizar o desconforto, baixas, tendo em consideração a gravidade das doenças que originam as lesões melhorar a qualidade de vida e favorecer a socialização da criança.
PE-006 sÍNDroME DE KLIPPEL trENAUNAY WEBEr: MALForMAÇÃo
PE-008 trAtAMENto ENDoVAsCULAr DE HIPErEsPLENIsMo CoM
ArtErIoVENosA VERSUS sÍNDroME DA CAUDA EQUINA
tÉCNICA DE MICroCAtEtErIsMo - CAso CLÍNICo
MARCIA RIBEIRO ALVES; MARCELLA DE LIMA BARBOSA; MARILIA BRANDÃO LEANDRO VELLUTINI WERNER; CRESCÊNCIO ALBERTO P. CÊNTOLA; RAQUEL PANICO; FABIOLA DA CUNHA MORAIS; GLAUCIA MARQUES VIEIRA; ANA CRISTINA T. HIDALGO; RAFAEL GOMES A. GARZON; DANIEL FERNANDO R. CRIVA – Centro de Radiologia Intervencencionista e Vascular JUSTIFICATIVAS E OBJETIVOS: Em 1901, M. Klippel e P. Trenaunay nomea- JUSTIFICATIVAS E OBJETIVOS: Hiperesplenismo é o estado de hiperfunção ram uma síndrome de nevo vasculoso osteohipertrófico que atualmente recebe esplênica caracterizado por esplenomegalia e redução dos valores de glóbulos o nome de Síndrome de Klippel Trenaunay Weber (SKTW) e consiste numa al- vermelhos, leucócitos e/ou plaquetas. Uma das formas de tratamento é a embo- teração congênita do mesoderma de forma desarmônica que pode apresentar lização da artéria esplênica, que tem sido identificada como uma alternativa me- nos invasiva à esplenectomia terapêutica para o tratamento da trombocitopenia demonstraram que a presença de lesões estenosantes significativas (>70%) na associada ao hiperesplenismo. O presente caso tem como objetivo demonstrar artéria subclávia 1, proximamente à origem da artéria mamária interna, pode a técnica e via endovascular para embolização esplênica na vigência de oclu- comprometer o fluxo anterógrado através do enxerto, ocorrendo ainda inversão são do tronco celíaco. MÉTODO: CASO CLÍNICO: NPV, 71 anos, sexo femini- desse fluxo a partir da vasodilatação periférica secundária à atividade física da no, natural de Polone-SP, procedente de Auriflama-SP, viúva, aposentada. Tem extremidade superior com consequente isquemia do território revascularizado. hipertensão arterial sistêmica e diabetes mellitus. Em Janeiro de 2011 iniciou O objetivo deste trabalho é realizar uma revisão dos procedimentos diagnósti- hematúria macroscópica em quantidade moderada. Não tinha outras queixas cos, características clínicas e opções de tratamento desta síndrome, a partir de asociadas. Negou episódios de hematúria prévios. Foi internada no 3° dia conse- um caso ocorrido no Hospital Agamenon Magalhães. MÉTODO: Identificação: cutivo de sangramento. No exame físico apresentava mucosas pouco descoradas, A.A.S., 57 anos, sexo masculino, admitido na Emergência Cardiológica do Hos- sem apresentar qualquer outra alteração. Nos exames laboratoriais de entrada pital Agamenon Magalhães (HAM) queixando-se de dor precordial opressiva, de havia leucopenia e plaquetopenia. Realizou USG de abdome que evidenciou es- forte intensidade, sudorese e palidez. Foi transferido para Unidade Coronariana, plenomegalia e lesão vesical vegetante. A paciente manteve hematúria macros- sendo então indicado cineangiocoronariografia que evidenciou: pontes de safe- cópica durante sua internação mesmo com a suspensão do Ticlid por mais de na ocluídas em artérias CX e CD, anastomose de mamária interna-descendente 10 dias, e recebeu transfusão sanguínea duas vezes devido à queda dos valores anterior pérvia, e lesão severa (>70%) em porção proximal de artéria subclávia hematimétricos. Foi então indicada a embolização esplênica via endovascular. esquerda. Devido à estenose da artéria subclávia esquerda, foi solicitada a ava- PROCEDIMENTO: Embolização esplênica parcial. Foi realizada segundo a téc- liação da equipe de Cirurgia Vascular deste hospital, que observou: diminuição nica habitual, com punção da artéria femoral à direita. Ao realizar a aortografia, de pulsos à esquerda e diferença pressórica entre os membros superiores (PA observou-se oclusão do tronco celíaco na sua origem, sendo o mesmo reabitado MSE=80X60 mmHg e PA MSD=110X80 mmHg). RESULTADOS: O procedi- por circulação colateral advinda da artéria mesentérica superior, através da ar- mento foi realizado através da técnica de Seldinger, com punção em artéria fe- cada pancreaticoduodenal. Realizamos então, cateterismo da artéria mesentérica moral comum direita e cateterização subsequente da área a ser estudada, com superior, seguido de microcateterismo da arcada pancreaticoduodenal, até al- evidência de lesão sub-oclusiva da artéria subclávia esquerda antes da origem das cançamos a artéria hepática comum, o tronco celíaco e posteriormente a artéria artérias vertebral e mamária interna esquerda. Foi realizado implante de stent esplênica distal. Procedemos então à embolização parcial do baço com partículas metálico 8x37 mm com dilatação do mesmo três vezes, chegando a 19 ATM de esféricas gelatinosas micrometradas. RESULTADOS: Foi conseguido a cateteri- pressão, com recanalização satisfatória da artéria. O paciente previamente rece- zação da artéria esplênica mesmo com a evidência da estenose de tronco celíaco. beu dose de ataque de 300mg de Clopidrogrel® por via oral e manutenção com E após realizar o procedimento de embolização esplênica parcial, obteve-se me- 75mg/dia por três meses. Evoluiu bem, sem queixas, permanecendo assintomá- lhora clínica e laboratorial da paciente, notadamente da contagem de plaquetas. tico. CONCLUSÕES: O tratamento endovascular com colocação primária de CONCLUSÕES: Consideramos esta via de tratamento adequada e eficaz para STENT, é método eficaz, seguro, com baixos índices de morbimortalidade no todos os pacientes com hiperesplenismo em que é indicado a embolização.
tratamento de lesões obliterantes da artéria subclávia.
PE-009 troMBÓLIsE DE UM ENXErto AXILoBIFEMorAL DE DÁCroN
PE-011 EMBoLIZAÇÃo PErCUtÂNEA DE MALForMAÇÃo
oCLUÍDo CoM tENECtEPLAsE - rELAto DE CAso
ArtErIoVENosA
MARCELO FRANCHINI GIUSTI; ERIKA TADEU DOBRIOGLO; MARIANA TERRA RODRIGO DUQUE ESTRADA; MÁRIO ANDRÉ ORANGES; MARCO CARNEIRO DINIZ; SIMONE PEDROSO; ADRIANA MARCO ANTONIO; BRUNA DE FINA; TEIXEIRA; LEONARDO CÉSAR ALVIM; DÉBORA OLIVEIRA SILVA; CELESTINO DOUGLAS NASCIMENTO DIPOLD; FERNANDA USHIYAMA; ELIANE YUMI FUJII; ANDRÉ VINICIUS FONSECA; AGENOR VASCONCELO COSTA; JOAO ANTONIO JUSTIFICATIVAS E OBJETIVOS: As más-formações arteriovenosas ou MAV é um defeito congênito pouco comum na geração vascular com comprometimento JUSTIFICATIVAS E OBJETIVOS: Trombólise com injeção direta no enxerto pro- capilar, arterial, venoso, linfático ou combinado, ocasionando passagem anor- porciona maior concentração de agentes fibrinoliticos no local da trombose com mal de sangue entre o leito arterial e venoso. A causa ainda é desconhecida. As taxas teoricamente menores de complicações sistêmicas. RELATO DE CASO: MAV variam entre indivíduos, em volume e em número de vasos, que em casos Relatamos uma trombólise com sucesso com tenecteplase em um paciente de extensos chegam a comprometer o débito cardíaco ocasionando uma sobrecarga 78 anos, diagnosticado com oclusão aguda devido à trombose de um enxerto venosa. A sintomatologia normalmente se manifesta com dor, massa palpável, axilobifemoral com Dacron após a punção e compressão inadvertida do enxerto. pouco compressível à digitopressão, pulsatilidade ou frêmito, sangramentos e o Através de um acesso pela artéria braquial direita, um cateter foi inserido distal- aparecimento precoce de varizes. MÉTODO: Paciente 46 anos, feminino, branca, mente ao enxerto e a solução de tenecteplase foi injetada retrogradamente, sem hipertensa e resistência insulínica, portadora de varizes em membros inferio- intercorrências. Pulso forte era palpável em todo enxerto após a infusão. Uma res CEAP C3 acompanhada há 8 anos. Há 1 ano notou aparecimento de massa solução de heparina foi constantemente administrada durante o procedimento pouco dolorosa em face medial do pé esquerdo que evoluiu com aumento gra- para evitar retrombose. A revisão arteriográfica mostrou um trombo residual dativo do volume, da dor e de pulsatilidade local, medindo cerca de 6,0x4,0cm. que exigia uma nova infusão, realizado também sem ocorrências. A angiografia Investigação inicial com ecocolor-Doppler revelou um desarranjo de vasos com final mostrou a completa dissolução do trombo, resultando em fluxo sanguíneo alto fluxo sanguíneo. Complementado com angiorressonância do pé esquerdo satisfatório através do enxerto e adequada perfusão dos membros. RESULTA- concluiu-se que se tratava de uma malformação arteriovenosa (MAV) de perife- DOS: Optamos por relatar o caso por ser factível o procedimento e mostrar bons ria. O tratamento escolhido foi a embolização percutânea, no qual obteve melho- resultados. CONCLUSÕES: Trombectomia farmacológicas é uma técnica viável ra clínica. RESULTADOS: Patologia pouco frequente acometendo extremidade, para reparar oclusão do enxerto, sem maiores complicações hemorrágicas.
obtendo boa resolutividade por tratamento endovascular. CONCLUSÕES: O método endovascular mostrou-se uma boa opção terapêutica para malformação PE-010 sINDroME Do roUBo DE sUBCLAVIA: trAtAMENto
ENDoVAsCULAr
RODRIGO AGUIAR GUEDES; JOSE NESTOR AGUIAR NETO; ALESSANDRA PE-012 troMBosE Dos sEIos VENosos CErEBrAIs E FAtorEs DE rIsCo
VASCONCELO BARROS; THIAGO CHARAMBA DUTRA; JORGE LUIS FABÍOLA CUNHA MORAIS; ANA PAULA MARTINS NAZARIO; GLAUCIA ALBUQUERQUE; FRANCISCO RICARDO TEIXEIRA; CARLOS GUSTAVO ABATH; MARQUES A. VIEIRA; MARCIA M. R. ALVES; CARMEN LUCIA LASCASCA PORTO; MARILIA DUARTE BRANDÃO PANICO; LILIAN CAMARA DA SILVA; RANIERI GUIMARÃES PARRILLI; JULIANA MIRANDA VIEIRA JUSTIFICATIVAS E OBJETIVOS: A síndrome de roubo de fluxo coronário-sub- clávia constitui causa rara de isquemia miocárdica em pacientes nos quais a ar- JUSTIFICATIVAS E OBJETIVOS: A trombose dos seios venosos cerebrais téria mamária interna é utilizada como enxerto em cirurgia de revascularização (TSVC) é uma condição clínica incomum e desafiadora devido à variabilidade cardíaca. Foi primeiramente descrita por Harjola e Valle em 1974, seus estudos da apresentação dos sinais e sintomas. OBJETIVO: Identificar as condições que podem causar e/ou predispor a TSVC. MÉTODO: Foi realizado um estudo re- trospectivo dos prontuários de pacientes que sofreram Tromboembolismo Ve- noso (TEV) e que são acompanhados em nosso Serviço desde 1985 à procura da descrição do sexo, idade na ocasião da trombose, presença de trombofilias hereditárias, fatores de risco das trombofilias adquiridas, como gravidez e puer- pério, infecções, obesidade, trauma cirúrgico, imobilização, viagens prolongadas, esteróides sexuais, doenças e síndromes associadas na ocasião do TEV, como cardiopatias, endocrinopatias, doenças reumatológicas, hematológicas, infecto- contagiosas, nefropatias e malignidades. A localização da TSCV pela Ressonân- cia Nuclear Magnética do encéfalo. Os dados coletados foram tabulados com auxílio de um software (Microsoft ACCESS). RESULTADOS: Foram analisados 328 prontuários. Destes, 5 sofreram TSVC. O lado esquerdo foi o mais afetado. O sexo feminino predominou em 60% dos casos. A faixa etária mais acometida foi entre 21 e 30 anos. Não houve associação com uso de anticoncepcionais nem com o puerpério nas 3 mulheres jovens. Também não houve associação com in- fecções, viagens prolongadas, traumas cirúrgicos e imobilizações. A trombofilia hereditária foi diagnosticada em apenas 1 paciente portador da deficiência de proteínas C e S. Este mesmo homem sofreu AVE (acidente vascular encefálico) e 5 episódios de trombose venosa profunda alta de membros inferiores. A obesida- de esteve presente em 40% dos casos. A doença de Behçet foi encontrada em um paciente portador de hiperhomocisteinemia que evoluiu com tromboembolismo pulmonar e trombose venosa profunda em membro inferior esquerdo. A síndro- me do anticorpo antifosfolipídio foi diagnosticada em apenas uma das pacientes e a hiperhomocisteinemia em 2 casos. CONCLUSÕES: A TVSC é incomum e muitas vezes subdiagnosticada. O fator predisponente foi identificado em 80% dos casos, semelhante ao descrito na literatura.
PE-013 troMBosE VENosA ProFUNDA DE MEMBros sUPErIorEs E
troMBoFILIAs
FABÍOLA CUNHA MORAIS; ANA PAULA MARTINS NAZARIO; GLAUCIA MARQUES A. VIEIRA; MARCIA MARIA RIBEIRO ALVES; CARMEN LUCIA LASCASCA PORTO; MARILIA DUARTE BRANDÃO PANICO; LILIAN CAMARA DA SILVA; RANIERI GUIMARÃES PARRILLI; JULIANA MIRANDA VIEIRA JUSTIFICATIVAS E OBJETIVOS: A trombose venosa profunda de membros superiores (TVPMS) foi inicialmente descrita por Paget e Von Schroetter. A TVPMS primária acomete 20% dos pacientes. O esforço físico tem sido aponta- do como importante agente causal. OBJETIVO: Descrever os fatores de risco en- contrados em 12 pacientes que sofreram TVPMS e que receberam investigação diagnóstica, tratamento do quadro agudo e acompanhamento clínico durante toda a fase evolutiva da síndrome pós-trombótica. MÉTODO: Foi realizado um estudo retrospectivo dos prontuários de pacientes que sofreram Tromboembolis- mo e que são acompanhados em nosso Serviço desde 1985 à procura da descri- ção do sexo, idade na ocasião da trombose, presença de trombofilias hereditárias, fatores de risco das trombofilias adquiridas, como gravidez e puerpério, infec- ções, obesidade, trauma cirúrgico, imobilização, viagens prolongadas, esteróides sexuais, doenças e síndromes associadas na ocasião do TEV, como cardiopatias, endocrinopatias, doenças reumatológicas, hematológicas, infecto-contagiosas, nefropatias e malignidades Os dados coletados foram tabulados com auxílio de um software (Microsoft ACCESS). Todos os dados foram plotados em gráficos e tabelas. RESULTADOS: Foram analisados 328 prontuários. Destes 328 pacientes, 318 sofreram TVP: 12 em membros superiores, 5 em seios venosos cerebrais e 311 em membros inferiores. A TVPMS predominou no sexo feminino (55% dos casos). A veia mais comprometida foi a subclávia esquerda em 7 pacientes. Em 1 caso a TVPMS foi bilateral. A faixa etária mais atingida foi entre 41 a 50 anos. A TVPMS primária acometeu 33,3% dos pacientes. Identificamos 3 usuárias de anticoncepcionais, 1 portadora de síndrome do anticorpo anti-fosfolipídio e 3 casos de hiperhomocisteinemia sem componente genético. Houve 1 caso de in- suficiência cardíaca congestiva. A hipertensão arterial sistêmica esteve envolvida em 1 paciente e dislipidemia em 2. Não houve associação com nenhuma trom- bofilia hereditária, puerpério, síndromes paraneoplásicas, síndrome nefrótica, diabetes mellitus, terapia de reposição hormonal pós-menopáusica e lúpus erite- matoso sistêmico. Apenas 1 paciente evoluiu com embolia pulmonar (EP). Não houve relato de óbito provocado pela EP. CONCLUSÕES: A etiologia da TVPMS é multifatorial. A hiperhomocisteinemia destacou-se como agente etiológico incomum, demonstrando a importância de investigação de todos os fatores de

Source: http://www.jvascbr.com.br/11-10-03-sup/39_CBACV_123-126.pdf

Aufklärung ct 2010

Liebe Patientin, lieber Patient, Warum Computertomografie ? Ihre Beschwerdesymptomatik/Erkrankung hat Aufnahmen nicht veratmet- oder verwackelt werden ist eine gute Mitarbeit von Ihnen Computertomografie (CT) erforderlich gemacht. erforderlich. Wir weisen Sie während der Sie ist ein sehr genaues Untersuchungsverfahren Untersuchung darauf hin, wann Sie die Luft bei dem von der

Monica.erney

Rev. Latinoam. Psicopat. Fund ., VI, 2, 145-151 O cerco à indústria farmacêutica nos Estados Unidos Não apenas na Europa a indústria farmacêutica enfrentacríticas e oposição, como esta seção tem procurado acompanhare documentar. Nos Estados Unidos, o governo federal e partedos governos dos Estados movimentam-se para evitar que ospagamentos realizados aos laboratórios no âmbito

Copyright © 2010-2014 Internet pdf articles